Em seu discurso em homenagem ao ex-presidente da República Tancredo Neves, o governador de São Paulo e provável candidato do PSDB à Presidência, José Serra, destacou a importância da Nova República e disse que neste quarto de século em que ela vigora a alternância passou a fazer parte das conquistas adquiridas no País. Ninguém mais contesta a legitimidade das vitórias eleitorais, do processo democrático e do natural desejo dos adversários vitoriosos de governar sem perturbações, discursou Serra, na homenagem realizada no Senado, que conta também com a presença do governador de Minas Gerais e neto de Tancredo, Aécio Neves.

Para Serra, o resultado é ainda mais impressionante quando se observa que uma dessas alternâncias, aparentemente mais contrastantes, foi a chegada ao poder do Partido dos Trabalhadores (PT), "encarado, a princípio, se não como força desestabilizadora, ao menos de comportamento radical e deliberadamente à margem na política nacional".

Serra disse que o PT, aliás, acabou por ser, paradoxal que pareça, "um dos principais beneficiários dos grandes erros históricos de julgamento que cometeu". E prosseguiu: "Nos dois primeiros casos porque a eleição do primeiro presidente civil e as conquistas sociais e culturais da Constituição foram os fatores-chave que possibilitaram criar o clima que eventualmente conduziria o partido ao poder. Outros erros históricos seguiram-se."

O tucano ainda lembrou que o PT se opôs à estabilização da economia brasileira, denunciando o Plano Real, o Proer e a Lei de Responsabilidade Fiscal. "Mas soube, posteriormente, colher seus bons frutos", disse.

"O período de um quarto de século da Nova República, sem repressão, sem poderes especiais, conseguiu finalmente derrubar a superinflação. Fez mais: resolveu o problema persistente da dívida externa herdada e até deu começo a uma retomada promissora do crescimento econômico e à expansão do acesso das camadas de rendimentos modestos ao crédito e ao consumo, inclusive de bens duráveis", afirmou o governador paulista.

Serra também destacou que "nenhuma conquista é definitiva, nenhum progresso é garantido e irreversível". "Assim como não somos escravos dos erros do passado, tampouco devemos crer que a eventual sabedoria dos acertos de ontem se repetirá invariavelmente hoje e amanhã. É necessário destacar, ter isso presente. A estabilidade, o crescimento e os ganhos de consumo, no que concerne ao panorama econômico-social, ainda não têm garantidas as condições de sustentabilidade no médio e no longo prazos", disse.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.