O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, lançou a pré-candidatura de José Serra à Presidência da República vendendo-o como o ¿pós Lula¿. Seu discurso abriu evento em Brasília, na manhã deste sábado.

  • Leia a íntegra do discurso de Serra
  • Nós contra eles não cabe numa nação, afirma Serra
  • Aécio diz que estará ao lado de Serra "onde for convocado"
  • FHC diz que governo Lula abusa do marketing
  • Dilma diz que "não foge" e ironiza slogan da campanha de Serra
  • AE
    FHC ganha lugar de destaque em lançamento de candidatura de Serra

    FHC ganha lugar de destaque em lançamento de candidatura de Serra

    As condições de vida do nosso povo tem melhorado, reconhecemos. Como vamos acelerar, com sustentabilidade, uma nova fase? Acima de tudo devemos nos perguntar como vamos garantir avanços, avanço de verdade. Quem tem condições de comandar este processo. De nos conduzir. Por quem está verdadeiramente preparado para esta tarefa histórica. Qualquer brasileiro, na sua mais completa isenção, não tem dúvida de que Serra é o quadro mais qualificado. Serra não é improviso, é parte integrante da história, afirmou.

    São Paulo "nordestina"

    Sem citar a ex-ministra Dilma Rousseff, pré-candidata do PT, Guerra disse que o País terá dois caminhos na eleição. Avançar com quem é um líder preparado em todos os planos de vida ou seguir com o improviso de quem nunca exerceu liderança e sempre foi um teste político, quem jamais foi líder de nada, sempre auxiliar democrática, disse. Dilma, 62, apoiada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva disputará sua primeira eleição.

    No discurso, Guerra ainda disse que uma vitória de Serra seria comparada às eleições de Getúlio Vargas, Juscelino Kubitscheck, Fernando Henrique Cardoso e do próprio Lula. O tucano exaltou a gestão de Fernando Henrique Cardoso, base do sucesso de Lula, segundo ele, mas evitou ataques diretos ao atual presidente.

    Guerra ainda proclamou que Serra era candidato de todos os brasileiros e chamou de fraude uma suposta divisão nacional. São Paulo que Serra governou é a maior cidade nordestina do país. Não tem história de São Paulo contra o Brasil ou contra o Nordeste, isso é uma fraude, uma fraude das oligarquias que sempre confundiram seus interesses com os interesses do Nordeste, afirmou.

    AE
    Modelo e apresentadora Ana Hickman discursa durante evento

    Modelo e apresentadora Ana Hickman discursa durante evento

    FHC em destaque

    Chamado de Encontro dos Partidos, a iniciativa teve o do DEM e do PPS, além do PSDB. O evento começou às 10h56 deste sábado, quando José Serra subiu ao palco, sem paletó nem gravata e de camiseta social azul, laudeado pelo senador e presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PSDB), e pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), que sentou na primeira fileira. A estratégia do PT é confrontar os mandatos de FHC e Lula, presidente com alto índice de popularidade.

    O PSDB não escondeu seu ex-mandatário e ainda lhe conferiu lugar de destaque no evento. Militantes usavam camisetas com a inscrição Eu acredito no que criamos.

    2ª disputa presidencial

    Será a segunda disputa presidencial de José Serra. Em 2002, ele foi derrotado pelo petista Luiz Inácio Lula da Silva. Aos 68 anos, o ex-governador de São Paulo lidera as pesquisas de intenção de voto. Sua principal adversária até o momento é a ex-ministra Dilma Rousseff (PT), apoiada pelo presidente Lula, que desfruta de índices de popularidades recordes.

    O evento reúne mais de 3.500 pessoas no Centro de Convenções Brasil 21, em Brasília, e contou com a participação de representantes do partido no País todo. As despesas foram pagas pelos diretórios estaduais e pelo diretório nacional do partido, segundo informações do PSDB. A cerimônia foi conduzida pela apresentadora da TV Record Ana Hickmann.

    Houve muitos problemas de organização, pois apareceram mais pessoas do que a organização havia previsto. Para evitar tumulto, em um momento em que já começava um empurra-empurra, o PSDB resolveu não controlar o fluxo de pessoas, abriu os portões e permitiu a superlotação do salão principal.

    Quatro telões exibindo imagens que remetiam por vezes à trajetória de vida do pré-candidato tucano e noutras a símbolos e cartões postais de cidades brasileiras. A trilha sonora misturou samba, axé e MPB (música popular brasileira).

    Leia também:

    Leia mais sobre: Serra

    • Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.