O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), não comentou diretamente o resultado da http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2010/03/17/cniibope+mostra+serra+a+frente+de+dilma+mas+em+queda+9430488.htmlpesquisa Ibope, divulgado nesta quarta-feira, mas nacionalizou o discurso em evento realizado no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual.

"Eu não comento pesquisas, nem quando estou disparado, nem quando não estou disparado. Pesquisa, até outubro, novembro eu nunca irei comentar. Nenhuma", afirmou o governador, que ainda não se declarou oficialmente candidato a Presidente da República, mas deve concorrer contra a ministra Dilma Rousseff (PT).

Mas, diferentemente de dias anteriores, posicionou-se a respeito do projeto aprovado pela Câmara dos Deputados que prevê a redistribuição dos direitos de exploração do petróleo, o que provocou reação de Estados produtores, mais notadamente o Rio de Janeiro. O governador Sérgio Cabral (PMDB-RJ), aliado do governo federal, criticou o projeto e ameaçou rompimento político a menos que a decisão seja revista no Senado.

"Eu não conhecia o projeto. Mandei buscar em Brasília e o li. Acho uma preocupação correta de ter os benefícios do petróleo para todo o Brasil, mas acho que da forma atual arruina o Estado do Rio de Janeiro e o do Espírito Santo, portanto é inaceitável. Isso só foi votado na Câmara e não se sabia bem o que estava sendo votado. Eu espero que o Senado agora reconsidere o assunto. Acho legítimo entregar recurso do petróleo para o Brasil, mas isso não pode se fazer liquidando dois Estados. Não é só o pré-sal do futuro, o projeto alterou o projeto atual de distribuição inclusive do petróleo nas plataformas. Isso significaria quebrar dois governos estaduais. O projeto não tem cabimento, neste sentido", afirmou.

Antes, o governador havia lançado uma nova fase do Programa Estadual de Qualificação Profissional, que prevê, a partir de recursos próprios de São Paulo, o pagamento de uma bolsa auxílio e o ingresso em cursos de requalificação par a aqueles que perderam emprego.

"Este programa social enfrenta o problema número um do País que é a questão do emprego, do trabalhador poder levar renda para sua família", afirmou Serra, em discurso. Ele exaltou as realizações de seu governo na área. Segundo a pesquisa Ibope de hoje, 60% dos brasileiros aprovam a forma como o governo federal lida com a questão do desemprego, enquanto 37% desaprovam.

O secretário do Trabalho, Guilherme Afif Domingos (DEM), disse que o dinheiro empregado (cerca de R$ 170 milhões) na requalificação de trabalhadores de 30 a 59 anos não encontra paralelo no Brasil. "O senhor também poderá dizer que nunca na história desse País isso havia acontecido", brincou Afif, em referência a uma linguagem utilizada em diversos discursos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Leia mais sobre: Serra - Eleições 2010

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.