O pré-candidado do PSDB à Presidência da República, José Serra, afirmou nesta quarta-feira que o Brasil deve defender os direitos humanos sem interferir na política de outras nações.

AE
Serra participa do programa

Serra participa do programa "SBT Brasil"

Questionado pelos apresentadores do programa "SBT Brasil" sobre qual seria sua relação com o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e com o regime dos irmãos Castro em Cuba, caso seja eleito, Serra ressaltou que os dois países têm presos políticos.

"Eu fui exilado, sei o que é perseguição", afirmou. "A gente não tem que se meter nos negócios dos outros países, mas sempre que possível deve fazer a defesa dos direitos humanos".

Durante a entrevista, Serra também defendeu a política externa do governo Fernando Henrique Cardoso, dizendo que houve conquistas como a discussão da quebra de patentes na Organização Mundial do Comércio (OMC). Segundo ele, foi "a maior vitória diplomática dentro de um conflito que o Brasil já teve".

O pré-candidato do PSDB também fez duras críticas ao Movimento dos Sem Terra (MST), dizendo que o grupo é um "movimento político" que usa a reforma agrária "como pretexto". "Eu quero a reforma agrária para valer, que é gente produzindo melhor, cada vez mais, e com terra", afirmou, acrescentando que, sobre a regularidade das ações do MST, "quem decide é o Poder Judiciário".

Serra também voltou a defender o mandato de cinco anos e o fim da reeleição. "Analisando o Brasil como um todo, a reeleição não deu muito certo", afirmou.

O pré-candidato do PSDB também que quer fazer a "batalha eleitoral" junto com o pré-candidato a senador Aécio Neves (PSDB-MG). "Ele em Minas e eu como candidato a presidente, vamos trabalhar juntos", disse, sem responder se há a possibilidade de Aécio ser o candidato a vice-presidente na chapa.

Propostas 

Sobre o Bolsa-Família, Serra prometeu reforçar, se for eleito, o projeto e procurar ligá-lo a questões como emprego para jovens, educação e saúde. "Acho que a gente tem de avançar e dar a ele um conteúdo que um dia permita que as pessoas tenham sua renda, mas este é um bom programa para ajudar famílias necessitadas", declarou.

Dentro das propostas econômicas, o pré-candidato do PSDB disse ainda que, caso vença as eleições, continuará com as metas de inflação, o câmbio flutuante e a responsabilidade fiscal.

Serra afirmou que, se vencer, quebrará um "círculo vicioso" que é a excessiva carga tributária, além de investir em infraestrutura de estradas, armazéns, portos e aeroportos. O pré-candidato criticou os "juros excessivamente elevados". "Não se resolve (a questão dos juros) de uma hora para outra, mas tem de ter isso na cabeça."

Serra afirmou que a saúde no País precisa melhorar. "Acho que, nos últimos anos, a saúde não foi para a frente", julgou. Quanto à educação, criticou a recente greve dos professores de São Paulo, onde foi governador. "A greve não mobilizou quase nada e teve caráter político-eleitoral", prosseguiu.

O pré-candidato disse ainda que o governo deve entrar como "coordenador e grande autoridade da segurança pública, porque a base do crime organizado é o contrabando de armas e o tráfico de drogas, que são combatidos pela administração federal".

"Tem de entrar de corpo e alma (na segurança) porque é grave." Serra lembrou o episódio em que traficantes derrubaram um helicóptero no Rio. "Aquela arma (usada para a derrubada) era contrabandeada, então tem de ter uma reação muito mais poderosa e forte", acrescentou.

Com Agência Estado

Leia mais sobre eleições 2010

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.