Serra cobra reuniões mais frequentes do Copom para atacar crise

SÃO PAULO (Reuters) - O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), cobrou nesta segunda-feira que o Comitê de Política Monetária (Copom) faça reuniões mais frequentes para definir a taxa básica de juros da economia como forma de combater a crise econômica global. É uma verdadeira aberração que se reúnam a cada 45 dias como se vivêssemos num período de absoluta normalidade, disse Serra a jornalistas depois de participar de um evento educacional do governo de São Paulo.

Reuters |

O Copom é um órgão do Banco Central que se reúne a cada 45 dias para avaliar a taxa básica de juros (Selic). A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e centrais sindicais também defendem um intervalo menor nas reuniões do Copom e chegaram a propor, em documento conjunto, que se realizem a cada 15 dias.

Serra, que já havia censurado a política do BC em dezembro, criticou também a redução de 1 ponto percentual na taxa de juros efetuada na última reunião do Copom, em janeiro, o que levou a Selic para 12,75 por cento ao ano.

"Não é nada, é praticamente insignificante", disse Serra, sobre o nível de corte. Ele se recusou, no entanto, a apontar a taxa ideal de juros que considera ideal para o Brasil neste momento. "Muito menor do que está aí", limitou-se a comentar.

Para Serra, a medida mais importante para enfrentar a crise seria a redução dos juros. Ele afirmou que o Brasil continua com a taxa de juros mais alta do mundo, o que, para ele, "é uma política para lá de equivocada, para não dizer irresponsável".

"A taxa de juros no Brasil é um caso de curiosidade mundial. No futuro, os estudantes vão fazer tese de mestrado e doutorado para poder entender como um país pode ter ido tão contra a corrente no enfrentamento da crise", ironizou.

O secretário do Emprego e Relações do Trabalho do Estado, Guilherme Afif Domingos, disse que ainda nesta segunda-feira se reúne com Serra, que passou uma semana em férias fora do país, para discutir medidas contra o desemprego.

(Reportagem de Carmen Munari)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG