Serra acusa agências de rating de incompetência

O governador de São Paulo, José Serra (PSDB), reagiu hoje à possibilidade de a agência de classificação de risco Austin Rating rebaixar a nota do Estado se o Congresso aprovar novas regras para o pagamento de precatórios. O tucano evocou fracassos históricos de agências de rating e apontou uma profunda incompetência dessas instituições.

Agência Estado |

A intenção dos analistas da Austin de rebaixar a classificação de risco foi revelada na edição de hoje do jornal O Estado de S. Paulo . O temor da agência é que a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que tramita na Câmara reduza a capacidade de endividamento do Estado. São Paulo atualmente paga precatórios com atraso de 11 anos. A agência colocou a classificação do Estado de São Paulo e da prefeitura da capital paulista em perspectiva negativa, ou seja, a nota pode ser rebaixada antes da revisão anual.

Serra associou a possibilidade de rebaixamento da nota de São Paulo à pressão de investidores internacionais. "A Austin Rating deve estar preocupada com os especuladores internacionais. As agências de rating servem a esse pessoal. Provavelmente é um funcionário de terceira categoria que está atendendo à pressão de um grande investidor internacional", disse o governador. "Isso confirma a profunda incompetência dessa agência e das outras, que costumam emitir sentenças a respeito de países. Seus fracassos históricos são verdadeiramente antológicos", disse. "A Austin Rating já errou tanto, meu Deus do céu, que eu não sei como continua aberta e ainda não faliu."

O governador citou como exemplo de especulador o banco de investimentos americano Merrill Lynch, que teria adquirido papéis vinculados a títulos de precatórios paulistas. "O Merrill Lynch é uma empresa muito mal administrada, de muito pouca confiabilidade", disse. "Em torno desse mercado de precatórios tem muita especulação. O pessoal acha que envolve a viúva que deixou de receber. Isso é folclórico. O fundamental aí são os grandes escritórios que compraram papéis a um preço muito baixo."

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG