O gasto dos senadores em verba indenizatória chegou a R$ 1,604 milhão de reais em fevereiro, março e na primeira quinzena de abril, segundo estudo divulgado hoje pela organização não-governamental (ONG) Transparência Brasil. Apesar do volume de despesas ter sido expressivo no período, ele não inclui a totalidade do Senado, uma vez que cinco dos 81 senadores não prestaram contas do dinheiro recebido por meio de verba indenizatória - são eles Arthur Virgilio (PSDB-AM) e Tasso Jereissati (PSDB-CE) e os suplentes Carlos Dunga (PTB-PB), Lobão Filho (sem partido-MA) e Virginio de Carvalho (DEM-SE), empossados recentemente.

Dos 73 senadores que prestaram contas, somente 11 incluíram todas as despesas feitas em fevereiro, março e primeira quinzena abril; 50 declararam apenas os gastos de fevereiro e março, e 12 fizeram os relatórios referentes a apenas um mês. Apenas três senadores dispensaram o uso de verba indenizatória no período - Jefferson Péres (PDT-AM), Marco Maciel (DEM-PE) e Pedro Simon (PMDB-RS).

Na Casa, cada senador tem direito a ressarcir até R$ 15 mil mensais em gastos como transporte, combustível, locomoção, alimentação, correio, estadia, divulgação, consultoria, aluguel de escritório e outras despesas diversas. Se o total de R$ 15 mil não for utilizado no mês, aquilo que sobra fica disponível para ser usado no mês subseqüente até o fim do semestre.

Em fevereiro, os senadores que prestaram contas do uso de verba indenizatória gastaram R$ 790,2 mil, mesmo se tratando de um mês mais curto e no qual se comemora o carnaval. Em março, as despesas atingiram R$ 758,4 mil, e na primeira quinzena de abril, R$ 55,4 mil. A maior parte do dinheiro foi gasto com a rubrica transporte/estadias - no total, R$ 621,1 mil. Em seguida, divulgação/consultoria, com R$ 556 mil; depois, aluguel/outras despesas, com R$ 426,9 mil. Entre os partidos, o PTB foi o campeão em gastos com transporte e estadias, com R$ 13.130,58, seguido por DEM (R$ 11.416,46) e PDT (R$ 10.196,25).

Divulgação

Em divulgação e consultoria, o partido que mais gastou foi o PR, com R$ 16.535,00, seguido por PTB (R$ 15.489,04) e PRB (R$ 15.340,00). O PP foi a legenda que mais gastou com aluguel e despesas diversas, com R$ 19.426,43, seguido por PSB (R$ 15.976,19) e PR (R$ 14.427,24). Os senadores campeões no uso de verba indenizatória foram os senadores Demóstenes Torres (DEM-GO), com R$ 42.313,80, Cristovam Buarque (PDT-DF), com R$ 41.360,90, e Romeu Tuma (PTB-SP), com R$ 39.702,42. A Transparência Brasil destaca que, além dessa verba, os senadores têm à disposição outros benefícios específicos, como quantia mensal para visitar as cidades de origem, disponibilização de carros oficiais e verba para a contratação de assessores.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.