Senadores elegem nova Mesa Diretora para 2009 e 2010

BRASÍLIA - Os senadores escolheram nesta terça-feira os novos membros da Mesa Diretora do Senado para o biênio 2009/2010. Marconi Perillo, senador do PSDB de Goiás, foi eleito vice-presidente da Casa e substituirá o presidente José Sarney (PMDB-AP) em caso de ausência. Serys Slhessarenko (PT-MT) foi indicada pelo PT para a segunda-secretaria.

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

  • Blog do Alon: PT é cereja, mas o bolo é do PMDB
  • Congresso em Foco: Vitórias deixam governo dependente do PMDB
  • Projeto Excelências: veja a atuação parlamentar de Temer
  • Projeto Excelências: veja a atuação parlamentar de Sarney
  • Caso José Sarney e Marconi Perillo não possam comandar a Casa por alguma razão, a petista será responsável pela condução das sessões plenárias e das reuniões da Mesa Diretora.

    O senador Heráclito Fortes (DEM-PI) foi eleito o primeiro-secretário e será responsável pela contratação de serviços do Senado, como obras e licitações.

    A segunda-secretaria ficará sob a tutela de Mão Santa, senador do PMDB do Piauí. O parlamentar será responsável pela assinatura das atas da Mesa Diretora. A terceira-secretaria ficou com o PTB, sob o comando de João Vicente Claudino, também do Piauí.

    A quarta-secretaria foi a única que ficou sem definição . A bancada do PDT tem 5 senadores e o direito a indicar um nome para a vaga. Porém, o senador José Sarney (PMDB-AP) fez um acordo sobre este posto com o PR (bancada com três senadores) em troca do apoio do partido para elegê-lo presidente do Senado.

    O PR argumenta que a questão da proporcionalidade deve ser contada a partir do número de parlamentares que cada bancada tinha no dia da posse. Sendo assim, PDT e PR teriam quatro senadores cada um, pois Patrícia Saboya (PDT-CE) só filiou-se ao partido após a posse, e o ministro Alfredo Nascimento, dos Transportes, foi eleito senador pelo PR e só depois da posse se licenciou.

    Cabem aos 3º e 4º secretários, segundo o Regimento Interno do Senado: fazer chamada dos senadores, realizar contagem dos votos e dar auxílio ao presidente na apuração das eleições, anotando os nomes dos votados e organizando as listas respectivas.

    Para executar essas elaboradas funções, cada secretário ganha um gabinete especial, com direito a oito funcionários efetivos e mais 13 comissionados (contratados sem concurso público), além de voto na Mesa Diretora.

    Leia também:


    Leia mais sobre: Senado

      Leia tudo sobre: eleições no congresso

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG