Senador protesta por ter assinatura em ato que acumula créditos de passagens aéreas

A Mesa Diretora do Senado incluiu entre os seis parlamentares que aprovaram o ato autorizando o uso este ano da verba de transportes aéreo do ano passado o senador Gerson Camata (PMDB-ES), que não estava em Brasília. Camata disse que, naquele dia e hora, estava de licença médica em São Paulo, submetendo-se a uma série de exames.

Agência Estado |

Em reposta ao pedido de Camata para que fosse investigado o que houve, a diretoria-geral do Senado limitou-se a republicar o ato, com uma inovação: no lugar de seu nome, colocou o do senador Aldemir Santana (DEM-DF). Camata afirma que a medida não valida o ato e nem tampouco resolve o "dano moral" que teve ao ser incluído na lista dos responsáveis por mais uma medida polêmica do Senado. "Fui alvo de protestos de tudo quanto é lado e eu nem estava lá".

A decisão da Mesa revoga uma das anunciadas medidas moralizadoras adotadas pela Casa no ano passado, no auge do escândalo dos atos secretos. Ficou acertado, quando da tentativa de conter a farra das passagens aéreas, que a sobra do dinheiro retomaria aos cofres da Casa.

Para o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Demóstenes Torres (DEM-GO), a republicação do ato com o nome de outro senador, não acaba com a sua nulidade. "É muita baderna", afirma. "O certo é que o ato é nulo de pleno direito e para valer, a Mesa teria de reiniciar todo o processo".

Já o primeiro-secretário, Heráclito Fortes (DEM-PI) trata a troca dos nomes como sendo "uma questão subjetiva". Segundo ele, foi um requerimento de Camata sobre o que fazer com os créditos restantes que motivou o ato. Camata informa que, ao mesmo tempo em que assinou o requerimento, buscou orientação com a Advocacia-Geral do Senado. "Como era inconstitucional, eu não assinaria a medida em nenhuma hipótese", afirma.

Os patrocinadores do ato são o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), e os senadores Serys Slhessarenko (PT-MT), Mão Santa (PSC-PI) e Patrícia Saboya (PDT-CE).

Leia mais sobre: Senado - passagens aéreas

    Leia tudo sobre: brasiliapassagens aéreassenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG