O senador Leomar de Melo Quintanilha (PMDB-TO) é um dos indicados a assumir uma cadeira no Tribunal de Contas da União (TCU), órgão responsável por fiscalizar, principalmente, os contratos do governo federal e das empresas estatais ou de capital misto, como a Petrobras e o Banco do Brasil. Porém, Quintanilha responde a um processo, que corre em segredo de Justiça, de acordo com o projeto Excelências, da ONG Transparência Brasil.

Acordo Ortográfico Informações divulgadas por veículos de comunicação dão conta de que o processo é relativo a um suposto esquema de desvio de verbas públicas a partir de emendas parlamentares. A vaga foi aberta devido à aposentadoria do ex-senador Guilherme Palmeira.

De acordo com o projeto Excelências, o senador e outros parlamentares apresentaram emendas ao orçamento da União para realização de obras no Estado de Tocantins. Ainda segundo a ONG, após negociações com construtoras e empreiteiras, as licitações teriam sido direcionadas a empresas específicas e os preços das obras, superfaturados.

Desde fevereiro deste ano, Leomar Quintanilha recebeu R$ 62,6 mil referentes à verba indenizatória, uma verba mensal destinada ao ressarcimento de despesas com aluguel, manutenção de escritórios e locomoção, desde que relacionadas ao exercício do mandato parlamentar. Gastos realizados em viagens para participar de eventos representando o Senado e os traslados entre Brasília e seu Estado são pagos diretamente pela Casa e não pelo parlamentar. Do valor pago pela Câmara a Quintanilha, R$ 51,7 mil são relativos a despesas com transporte e estadias.

Divulgação
Senador Leomar Quintanilha concorre à vaga no TCU
Quintanilha teve sua indicação aprovada pela Comissão de Assuntos Econômicos do Senado no final de novembro. Indicado pelos partidos governistas, ele disputará a vaga com o ex-senador José Jorge de Vasconcelos Lima,  indicado pelos partidos de oposição ao governo Lula. José Jorge (DEM-PE) disputou a eleição presidencial de 2006 como vice de Geraldo Alckmin (PSDB).

O parlamentar do PMDB foi eleito duas vezes deputado federal (em 1986 e  1990) e duas vezes senador (1994 e 2002). Também já foi secretário estadual da Educação e Cultura (de 1989 a 1990) e da Indústria, Comércio e Turismo (em 1996). Em 2006, ele tentou se candidatar a governador do Estado de Tocantis, mas foi derrotado.  O senador também já passou por diversos partidos políticos. Foi membro da Arena, PDC, PMDB, PFL (atual DEM), PCdoB e agora está novamente no PMDB, embora tenha sido eleito pela última vez pelo então PFL. A declaração de bens de Quintanilha referente ao ano de 2006 revela um patrimônio de R$ 1.975.840,00.

O projeto Excelências, da Transparência Brasil, reúne diversas informação a respeito dos parlamentares em exercício nas principais Casas legislativas brasileiras.

Leia mais sobre: Transparência Brasil

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.