Senador democrata critica brecha aberta pelo Senado que permite nepotismo

BRASÍLIA - O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) criticou na tarde desta terça-feira a decisão da Mesa Diretora do Senado de permitir que parentes de senadores que foram contratados antes da eleição do parlamentar possam permanecer no cargo.

Carol Pires, Último Segundo/Santafé Idéias |

Demóstenes ressalta que essa atitude vai contra à súmula editada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe o nepotismo, e que Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), presidente do Senado, pode ser denunciado por improbidade administrativa por descumprir a regra.

"Parente até o terceiro grau tem que ser demitido. Tem que ser exonerado. Estar aqui lotado irregularmente acarreta processo por improbidade. Amanhã, o procurador-geral da República vai saber da decisão pelos jornais, pela TV, e pode propor processo ao presidente Garibaldi", avalia Demóstenes.

A brecha aberta pela Mesa Diretora beneficia a cunhada e a filha do senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA) e uma sobrinha do senador Jayme Campos (DEM-MT), contratadas antes da posse dos senadores.

Pela decisão da Mesa, os senadores e diretores vão ter até o dia 30 deste mês para demitir parentes que trabalhem no Senado sem concurso público. Caso não o façam, o presidente Garibaldi Alves poderá fazê-lo. Apesar das datas, nenhum tipo de punição foi estipulada para quem descumprir a súmula e a decisão da Mesa.

Leia mais sobre: nepotismo

    Leia tudo sobre: nepotismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG