Tamanho do texto

BRASÍLIA - O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) criticou na tarde desta terça-feira a decisão da Mesa Diretora do Senado de permitir que parentes de senadores que foram contratados antes da eleição do parlamentar possam permanecer no cargo.

Demóstenes ressalta que essa atitude vai contra à súmula editada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) que proíbe o nepotismo, e que Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN), presidente do Senado, pode ser denunciado por improbidade administrativa por descumprir a regra.

"Parente até o terceiro grau tem que ser demitido. Tem que ser exonerado. Estar aqui lotado irregularmente acarreta processo por improbidade. Amanhã, o procurador-geral da República vai saber da decisão pelos jornais, pela TV, e pode propor processo ao presidente Garibaldi", avalia Demóstenes.

A brecha aberta pela Mesa Diretora beneficia a cunhada e a filha do senador Epitácio Cafeteira (PTB-MA) e uma sobrinha do senador Jayme Campos (DEM-MT), contratadas antes da posse dos senadores.

Pela decisão da Mesa, os senadores e diretores vão ter até o dia 30 deste mês para demitir parentes que trabalhem no Senado sem concurso público. Caso não o façam, o presidente Garibaldi Alves poderá fazê-lo. Apesar das datas, nenhum tipo de punição foi estipulada para quem descumprir a súmula e a decisão da Mesa.

Leia mais sobre: nepotismo