Senado vai ouvir Gabrielli antes de decidir por CPI

BRASÍLIA (Reuters) - Os líderes dos partidos no Senado concordaram nesta quinta-feira em convocar o presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, com o objetivo de adiar a instalação de uma CPI para investigar supostos procedimentos irregulares da empresa com o pagamento de tributos e fraudes em licitações. Gabrielli terá de explicar ao Senado se a estatal praticou manobras contábeis para economizar 4 bilhões de reais no pagamento de impostos, como foi denunciado pela imprensa.

Reuters |

"Conversei com os líderes da oposição e todos concordaram em esperar a presença e as explicações do presidente da Petrobras. Até lá, a leitura do requerimento (da CPI) fica suspensa", disse a jornalistas Gim Argello (PTB-DF), vice-líder do governo.

O Democratas concordou com a sugestão. "Não há nenhum compromisso de não instalar a CPI. Não vamos envenenar o assunto, o assunto exige cautela, queremos esclarecê-lo", disse o líder do DEM, senador José Agripino Maia (RN).

A Presidência da República considera inoportuna uma investigação política por considerar que ela contamina a atividade parlamentar e a votação de projetos de interesse do Executivo, além de transmitir sinais negativos para o mercado financeiro em relação à Petrobras.

"Temos que defender nossas empresas diante da crise internacional", afirmou o senador Aloizio Mercadante (SP), líder do PT.

Os partidos aliados esperam que a presença do presidente da Petrobras no Senado, ainda sem data, esgote o interesse da oposição em uma CPI.

Quatro senadores do PMDB, maior aliado do governo, assinaram o requerimento para a instalação da CPI. "Isso contaminará a economia", afirmou o líder do partido, Renan Calheiros (AL).

Gabrielli seria recebido em uma audiência pública conjunta das comissões de Assuntos Econômicos, de Constituição e Justiça e de Infraestrutura. O encontro seria a princípio realizado no plenário do Senado.

O pedido de CPI foi protocolado na quarta-feira com assinaturas de senadores de cinco partidos.

(Reportagem de Natuza Nery e Fernando Exman)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG