Os senadores compareceram menos ao plenário da Casa no ano passado. Segundo dados do site Congresso em Foco, a Casa apresentou 1.

782 ausências em 2008, um aumento de 3% na comparação com 2007, que registrou 1.730 faltas. Não houve no ano passado nenhuma sessão deliberativa com todos os 81 senadores presentes. Em 2007, foram registradas duas ocasiões de Casa cheia, quando se votava o pedido de cassação do ex-presidente do Senado Renan Calheiros (PMDB-AL), acusado de quebra de decoro parlamentar. Renan foi absolvido.

Se for levado em conta o número de sessões deliberativas promovidas no ano passado, no entanto, a proporção de ausências foi mais significativa, de acordo com números obtidos pela Agência Estado com a Secretaria-Geral da Mesa. Em 2008, o número de sessões foi bem mais baixo - caiu de 119, em 2007, para 95. Para cada reunião no ano passado foi registra uma média de 18 senadores ausentes, ante uma média de 14 em 2007. O aumento também foi acompanhado pelo número de justificativas apresentadas pelos senadores à mesa da Casa, que subiram de 193 para 1.442. Segundo a assessoria do Senado, na maior parte a alegação foi de problema de saúde.

Os senadores que mais faltaram ao plenário em 2008 foram Leomar Quintanilha (PMDB-TO), com 23,1% de ausências; Arthur Virgílio (PSDB-AM), com 21,1%; Sibá Machado (PT-AC), com 19,5%; Gilvam Borges (PMDB-AP), com 19%; e Romero Jucá (PMDB-RR), com 17,5%. Ausente em mais de um quarto das reuniões em plenário, Quintanilha teve o maior número de faltas sem justificativas. Das 27 ausências, somente 6 foram abonadas por meio de licença para missão oficial ou missão política de interesse do parlamentar.

No ano passado, houve duas reuniões em que o plenário não atingiu quórum suficiente para dar seguimento à sessão - faltaram mais de 40 dos 81senadores. Essas duas sessões fazem parte do período de "recesso branco", que se estendeu de 23 a 27 de junho, período de eleição dos municípios.

Apesar de não ter havido um senador que tenha frequentado todas as 95 sessões deliberativas em 2008, alguns chegaram perto, como Álvaro Dias (PSDB-PR), que só faltou a duas sessões; Sérgio Zambiasi (PTB-RS) e Marco Maciel (DEM-PE), ausentes em quatro; e Eliseu Resende (DEM-MG) e Gim Argello (PTB-DF), que não compareceram a seis.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.