Senado instala cercado e imprensa fica sem acesso a Sarney

BRASÍLIA - Em meio à crise que assola o Senado, o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), mandou que um cordão de isolamento fosse instalado para impedir que a imprensa tenha acesso a ele nos cerca de 12 metros que tem de caminhar do elevador ao plenário ou ao gabinete da presidência. De acordo com Chico Mendonça, assessor de Sarney, a situação foi necessária, pois a imprensa ¿quase derrubou¿ o presidente na quarta-feira.

Severino Motta, repórter em Brasília |

Sarney mandou ainda isolar a chamada chapelaria da Casa, no andar inferior do Plenário, desde a garagem até o elevador. A ordem para os seguranças é manter o presidente afastado, evitando a impressão de que estaria acuado ou precisando de escudos humanos para se proteger.

Agência Brasil
Sarney preside sessão deliberativa no plenário

O futuro político de Sarney vai ser definido ainda nesta quinta-feira. Ele tem conversa marcada com o presidente Lula para definir se continua na presidência do Senado ou renuncia ao cargo.

Na quarta-feira, o PT, que substituiu o DEM no papel de principal apoiador do presidente depois do PMDB, chegou a sugerir a Sarney que se licenciasse por 30 dias do comando da Casa. Tal fato veio à tona devido  à divisão na bancada dos senadores. Apesar disso, o Planalto e a direção do partido obrigaram a bancada a declarar que a tendência é que o PT siga no apoio ao peemedebista. 

Leia também:

Leia mais sobre José Sarney


    Leia tudo sobre: sarneysenadosenadores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG