Tamanho do texto

Cerca de 200 integrantes dos Movimentos dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e dos Pequenos Agricultores (MPA) invadiram hoje uma propriedade rural da Aracruz Celulose, em Canguçu, na região sul do Rio Grande do Sul. O grupo afirmou que a ocupação é uma denúncia contra as facilidades concedidas às plantações de eucalipto, enquanto há atrasos no cronograma de assentamento de 2 mil famílias no Estado.

Também revelou a intenção de não ficar muito tempo no local, limitando a ocupação ao protesto. Mesmo assim, permanecia na fazenda até a noite de hoje. A Aracruz Celulose anunciou que pedirá a reintegração de posse à Justiça. Segundo o líder Neiva Vivian, da Coordenação Estadual do MST, a ocupação é um dos atos que os sem-terra e pequenos agricultores promovem na região para denunciar o avanço das monoculturas florestais em terras que poderiam ser destinadas à reforma agrária. "Essa área seria mais bem utilizada produzindo alimentos", afirmou, referindo-se à fazenda de 833 hectares, que a empresa pretende usar para o plantio de eucalipto.

Amanhã, o MST e o MPA montarão um acampamento dentro de um assentamento na região, onde promoverão um debate sobre as diferenças entre o uso da terra proposto pelo agronegócio e pela agricultura familiar. Pelo menos parte dos invasores deve deixar a fazenda da Aracruz para participar das outras duas atividades, a poucos quilômetros de distância.

O MST considera o novo acampamento como estratégico, pela localização, em município que tem pequenas propriedades rurais e para onde as plantações de eucalipto da indústria da celulose avançam. "Daqui, poderemos pressionar as autoridades para que atendam às nossas reivindicações", afirmou Vivian.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.