Sem licença ambiental, BR-319 não vai ficar pronta até 2012

A BR-319, que liga Manaus a Porto Velho, não deverá ficar pronta até o fim de 2012, como queria o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A avaliação é de que com a recusa do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, de dar a licença para a pavimentação, não haverá mais tempo para a conclusão da obra, uma das principais rodovias previstas no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), orçada em R$ 600 milhões.

Agência Estado |

Daqui a dois meses começa o período de chuvas que inviabilizará boa parte das obras.

A princípio irritado com Minc por causa da falta da licença ambiental, Lula acabou por aceitar os argumentos de seu ministro do Meio Ambiente, de que a liberação só deve ocorrer depois que o Ministério dos Transportes instalar em um trecho de cerca de 240 quilômetros postos de vigilância e parques de proteção ambiental.

De acordo com informação de assessores de Lula, ele foi convencido por Minc de que, apesar de a estrada ter sido aberta no início dos anos 70 pelo governo militar, a realidade hoje é diferente. Se naquela época não havia movimento, a ponto de a mata se recuperar e desaparecer com vários pontos da rodovia, hoje corre-se o risco de o asfaltamento da estrada causar uma tragédia ambiental.

A exemplo da experiência verificada na BR-163, que liga Cuiabá a Santarém, a 319 poderia virar o que os ambientalistas chamam de "espinha de peixe". Nesse fenômeno, a estrada principal atrai migrantes que vão morar em suas margens. Ao seu redor são construídas centenas de pequenas vicinais que adentram as matas vizinhas, reservas ambientais ou não, servindo para a degradação ambiental e transporte de madeira retirada ilegalmente.

Na disputa, o grande perdedor é o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento. Ele será candidato ao governo do Amazonas pelo PR. Queria ter, em sua bandeira de campanha, o marco de, como ministro, haver levado adiante o asfaltamento da BR-319 até Porto Velho.

Nascimento argumenta que não há nenhuma razão para que Minc retarde a licença, visto que a estrada existe há mais de 40 anos. Mas como Lula decidiu não intervir na briga dos dois, restará a eles manter a atitude que tomaram, de nem mais se cumprimentar.

Até o último balanço do PAC, a obra de restauração da BR-319 tinha o selo verde. Significa que, para o governo, estava com o calendário em dia. No próximo balanço deve receber outro tipo de carimbo, o das obras atrasadas. Desde junho, quando a ministra Dilma fez a mais recente divulgação das obras do PAC, Minc vinha dizendo que se sente "ética e moralmente" impedido de dar o licenciamento ambiental à rodovia, cujo prazo de conclusão inicial era 2012.

    Leia tudo sobre: rodovias

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG