BRASÍLIA (Reuters) - A instalação da CPI da Petrobras foi remarcada para quarta-feira da semana que vem, após o governo não ter dado quórum à sessão que formalizaria o início das investigações. Na terça-feira, os membros do governo indicados à CPI não compareceram à reunião inaugural.

Além da tradicional disputa política com a oposição, que deseja investigar a estatal, a base do governo também está rachada, com PMDB e PT concorrendo por espaço e peso político.

O líder da bancada do PMDB, Renan Calheiros (AL), vem protagonizando nos bastidores desentendimentos com o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), e também não quer que o colega de legenda e líder do governo no Senado, Romero Jucá, se transforme em interlocutor do governo na CPI.

Jucá é cotado para assumir a relatoria da comissão, mas, segundo fontes, Renan não concorda com a indicação.

(Reportagem de Natuza Nery)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.