A Polícia Civil do Rio informou que o segundo homem acusado de pichar o Cristo Redentor se entregou nesta sábado na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, em São Cristóvão, na zona norte do Rio.

Ele se identificou como Edmar Batista de Carvalho, de 24 anos. Acompanhado de um advogado, ele repetiu a versão do primeiro acusado e disse que o vandalismo foi um protesto.

Há dois dias, o pintor de paredes Paulo Souza dos Santos, de 28 anos, confessou o crime ao se entregar acompanhado de um advogado e pastores evangélicos. Indiciado por crime ambiental e injúria por preconceito, ele responde ao inquérito em liberdade. A pena para o delito é de um ano de reclusão e multa.

Genilson Araújo / Agência O Globo

Parte da cabeça da estátua do Cristo Redentor pichada no Rio de Janeiro

O monumento religioso amanheceu pichado na manhã do dia 15. Na ocasião, o Cristo Redentor estava fechado por causa das chuvas e as câmeras de vigilância não funcionavam. Por conta das assinaturas idênticas, as autoridades policiais acreditam que o grupo é responsável por outros atos de vandalismo contra outras estátuas e túmulos na cidade.

Leia também:

Leia mais sobre: Cristo Redentor

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.