Sedentarismo pode ser maior causa de obesidade no País, sugere estudo

Mesmo reconhecido por ser um dos países que mais valorizam a estética, o Brasil dedica pouca atenção à saúde das brasileiras. De acordo com os resultados de um estudo realizado pela SulAmérica Saúde no ano passado, entre as 17 mil mulheres pesquisadas, 26% apresentaram o Índice de Massa Corpórea (IMC) nos níveis do sobrepeso e 10,8% foram classificadas como obesas.

Agência Estado |

Os quilos a mais podem ser resultado dos altos índices de sedentarismo entre as entrevistadas, já que a pesquisa revela que 73% das mulheres são sedentárias.

Há 20 anos à frente da Triathon Academia, a executiva Patrícia Castellar Pirozzi acompanha de perto a evolução do problema. “A falta de tempo é uma das ‘desculpas’ para justificar o sedentarismo e explicar o aumento de peso”, detalha. Segundo Patrícia, o principal desafio é fazer com que a mulher entenda que a falta de atividade física traz riscos à saúde. “Mudar o estilo de vida é o maior desafio”, diz Pirozzi, que lembra o número de pessoas que frequentam uma academia no Brasil: apenas 2%.

“O resultado disso é o aumento de doenças crônicas como a hipertensão arterial, a obesidade, a elevação do colesterol, o diabetes, a ansiedade, o enfarte do miocárdio”, afirma a endocrinologista Ellen Simone Paiva, diretora do Citen, Centro Integrado de Terapia Nutricional. É claro que o aumento dessas doenças não está relacionado apenas à ausência de exercícios físicos, e, sim, ao estilo de vida contemporâneo. Entretanto, a prática de atividades físicas age de maneira preventiva. “O ideal é inserir a atividade física em quatro campos das atividades diárias: no trabalho, no lazer, nos trabalhos domésticos e no transporte, já que reduzem em 50% o risco dos males ligados ao sedentarismo.”

IMC

Para calcular o IMC basta dividir o peso em quilogramas pela altura ao quadrado (em metros). O total deve ser comparado aos valores da tabela de IMC. Por exemplo, se você pesa 60kg e mede 1,67m, deve utilizar a seguinte fórmula: 60 ÷1,67² = 60 ÷ 2,78. O IMC seria 21,5. Abaixo de 18,5, você está abaixo do peso ideal, entre 18,5 e 24,9 está em seu peso normal, entre 25,0 e 29,9 está com sobrepeso, entre 30,0 e 34,9 está com obesidade grau 1, entre 35,0 e 39,9 está no grau 2 e acima de 40 está no grau 3.

Eduardo Diório

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG