Secretário vê tradings e bancos mais propensos a financiar safra

SÃO PAULO (Reuters) - As medidas do governo para oxigenar o mercado de crédito para agricultores já começam a dar resultado, avaliou o secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Silas Brasileiro, que vê agora tradings e bancos mais disponíveis para financiar a produção. Segundo ele, desde o início da crise, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, já conseguiu 6 bilhões de reais adicionais para financiamento do setor, sendo 1 bilhão de reais para financiar operações da Cédula de Produto Rural (CPR).

Reuters |

"O ministro fez uma reunião esta semana, trouxe tradings e bancos e discutiu a participação deles. Eles estão propensos a participar do mercado, isso foi o que mais evoluiu", declarou.

De acordo com o secretário, atualmente "há muita especulação" sobre o tamanho da produção brasileira em 2008/09, cujo plantio está em andamento.

"Nós vamos ter uma safra igual ou um pouquinho maior que tivemos na safra passada, nós não temos risco de safra não."

A produção total de grãos do Brasil foi estimada pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) na semana passada em um intervalo entre 139,6 a 141,8 milhões de toneladas, contra 143,8 milhões de toneladas em 07/08.

No primeiro levantamento, no entanto, a Conab havia estimado a produção em total em até 144,5 milhões de toneladas.

"Pode ter certeza, todo mundo está plantando de novo, não vai ficar área nenhuma sem ser cultivada e o clima está muito bom também", acrescentou Brasileiro, para quem "houve um susto inicial" com a safra em decorrência da crise financeira.

O Brasil é o segundo maior produtor de soja, atrás dos Estados Unidos, e está também entre os maiores produtores de milho do mundo.

Ele disse que outras medidas governamentais colaboram para a melhora do cenário agrícola.

Na quinta-feira, o CMN (Conselho Monetário Nacional) aprovou a concessão de novo prazo para adesão ao processo de renegociação de dívidas resultantes de operações de crédito e de crédito fundiário.

Foi prorrogado para 12 de dezembro o prazo que vencia nesta sexta-feira.

(Por Roberto Samora)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG