O secretário de Agricultura do Estado de São Paulo, João Sampaio, afirmou no início da noite de hoje que o Programa Vivaleite, que fornece gratuitamente a bebida a 736 mil famílias do Estado, será otimizado e que não haverá cortes de beneficiários, mesmo com a aquisição prevista de um menor volume. Nós queremos otimizar o programa e apurar se algum beneficiário recebe o leite em duplicidade, ou seja, por meio de um programa da prefeitura local e também do governo do Estado, disse Sampaio, por telefone à Agência Estado , de Paris, onde participa da reunião da Organização Internacional de Saúde Animal (OIE).

De acordo com os editais publicados nesta semana e que renovam a aquisição do Vivaleite por meio de pregão eletrônico, o governo paulista prevê a compra de 44,672 milhões de litros para os últimos sete meses de 2009, ou 6,381 milhões de litros por mês. Pelo total contratado atualmente, são fornecidos 11,042 milhões de litros por mês. Segundo Sampaio, novos leilões de aquisição serão feitos, se necessários, para a aquisição de mais leite e somente com a reestruturação do programa será possível determinar a duplicidade do recebimento. "Se um beneficiário receber em duplicidade é viável que ele siga apenas com o programa municipal e que destinemos o leite para outra pessoa carente e que não é atendida hoje", disse Sampaio.

Outra ação do governo paulista será a redução no valor recebido pelas indústrias que entregam o leite para o governo. Atualmente, o valor pago pelo litro é de R$ 1,36 e, de acordo com o secretário, o teto no pregão eletrônico será de R$ 1,20 por litro. "Aumentamos ainda o número de lotes do leilão, também como uma forma de reduzir o valor pago pelo leite", concluiu Sampaio.

Criado em 1999, o Programa Vivaleite beneficia crianças de 6 meses a 6 anos e 11 meses, cuja a família receba até dois salários mínimos. De acordo com informações da Codeagro, a prioridade do atendimento é para crianças na faixa etária de 6 a 23 meses de idade e atendimento preferencial às crianças cujo chefe da família encontrar-se desempregado ou cuja mãe for arrimo de família. Também são beneficiados, mas somente na capital paulista e na Grande São Paulo, idosos com renda familiar de até dois salários mínimos, com idade acima de 60 anos, com prioridade no atendimento àqueles com mais de 65 anos e atendimento preferencial aos portadores de doença crônica ou que necessitem de uso contínuo de medicamento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.