Secretarias divergem sobre número de mortos em operação no Rio

RIO DE JANEIRO ¿ Pelo menos nove pessoas morreram na operação que a Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) da Polícia Civil realizou nesta quarta-feira nas favelas da Coreia, Taquaral, Rebu e Vila Aliança, em Senador Camará e Bangu, na zona oeste do Rio. A Secretaria Estadual de Saúde divulgou o número de dez mortos que chegaram ao Hospital Albert Schweitzer, em Realengo, no entanto a Secretaria Estadual de Segurança só confirma nove vítimas fatais.

Redação |

De acordo com a Core, seis homens morreram em um confronto com a Polícia Civil na favela da Coreia, entre eles um menor de idade de 15 anos. Segundo a Core, todos os mortos tinham ligação com o tráfico de drogas. Os mortos nessa troca de tiros foram identificados como Tiago Luiz Bonassio Martins, de 23 anos, Wellington Broxini Lira, 24, D.M.B., 15. Rogério da Costa Vieira, 37, Tiago Santos Gomes, 21, e Leandro Lopes Rosa, 23.

Na favela do Rebu, outros três traficantes morreram em uma troca de tiros com a Polícia Militar. Entre os mortos está um adolescente de 16 anos. A PM informou que os suspeitos tentaram retornar à comunidade após o término da operação e se depararam com soldados do 14º BPM (Bangu). Com os traficantes foram apreendidos 64 sacolés de cocaína, três pistolas, uma granada e um rádio-transmissor. Os suspeitos foram identificados como Felipe Silva, de 18 anos, J.D.S., 16, e Diego Muniz Gomes, 24.

O boletim divulgado pela Secretaria Estadual de Saúde com a relação dos mortos vindos da operação inclui ainda mais um homem branco não identificado, com aparentemente 20 anos. A Secretaria Estadual de Segurança, no entanto, informa que essa vítima não morreu no confronto com a polícia. A operação realizada na zona oeste do Rio também deixou uma mulher de 43 anos ferida. Ana Maria Souza foi atingida por uma bala perdida no glúteo, mas não corre risco de morte. 

AE

Policiais da Drae patrulham ruas da favela da Coreia, na zona oeste do Rio de Janeiro

Megaoperação

A ação policial realizada nesta quarta-feira teve como objetivo reprimir o tráfico de drogas nas favelas da Coreia, Taquaral, Rebu e Vila Aliança. Além dos mortos e feridos, a operação terminou com cinco suspeitos presos. Três deles foram detidos enquanto procuravam atendimento médico em um posto de saúde na região de Jabour.

A incursão pelas favelas teve início por volta das 6h e contou com cerca de 300 agentes. Policiais da 34ª DP (Bangu) e de algumas delegacias especializadas, dois veículos blindados e o helicóptero Águia da Polícia Civil deram apoio à ação. Para entrar em algumas comunidades, os policiais tiveram que retirar barreiras feitas com brinquedos, como balanços, gangorras e escorregas.

Na favela da Coreia, homens da Delegacia de Repressão às Armas e Explosivos (Drae) localizaram a casa do chefe do tráfico local, conhecido como Aranha. A residência tem dois andares, duas piscinas e churrasqueira. Devido à operação policial, dez escolas e cinco creches de Senador Camará suspenderam as aulas. Parte do comércio local ficou fechado durante a parte da manhã.

Leia mais sobre: operação no Rio de Janeiro

    Leia tudo sobre: coreoperação policialriorio de janeirotraficantesviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG