Secretaria de Educação lamenta continuação da greve dos professores do Estado de SP

SÃO PAULO ¿ A Secretaria de Educação lamentou, em nota divulgada nesta sexta-feira, a continuação da greve dos professores da rede estadual, que ¿atrapalha sobremaneira os estudantes¿ e ¿demonstra que o sindicato não está preocupado com a qualidade de ensino das escolas paulistas. Em assembléia realizada nesta sexta-feira no vão livre do MASP, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado (Apeoesp) decidiu manter a greve, que já dura cinco dias, por mais uma semana.

Redação |


Em protesto, os professores caminharam até a Praça da República, no centro, bloqueando o trânsito na avenida Paulista e na rua da Consolação.

A categoria recusou proposta de reajuste salarial de 12,2% feita na véspera pela Secretaria de Educação. O sindicato quer que o piso da categoria seja de R$ 2 mil, enquanto a proposta do governo eleva os salários-base a no máximo R$ 1.501,60.

Em nota, a Secretaria afirmou que a Apeoesp insiste em uma proposta rechaçada pela ampla maioria dos cerca de 250 mil professores da rede estadual. Segundo o governo, juntos, o salário base e as gratificações elevam a remuneração inicial dos professores a até R$ 1819,63, e a final a até R$ 3124,05.

A Secretaria também lamentou a resistência dos professores às mudanças impostas pelo decreto 53.037, assinado em maio pelo governador José Serra. O documento restringe as transferências de professores efetivos e cria uma prova anual para contratar profissionais.

A nota oficial reafirmou que o decreto não será revogado, pois visa apenas melhorar as condições de ensino, a relação entre mestres e alunos e a continuidade dos processos pedagógicos.

    Leia tudo sobre: greveprofessores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG