A Secretaria de Segurança do Rio divulgou hoje sua posição sobre a proposta de novo texto para a Lei Complementar 97, que pretende dar mais poder de polícia às Forças Armadas e proteção legal para a realização de operações típicas de manutenção e garantia da lei e da ordem. A Secretaria nunca defendeu Exército nas ruas para fazer trabalho de polícia.

O melhor investimento é nas polícias mesmo. O contingente das Forças Armadas é sempre temporário, enquanto o policial passa a vida servindo ao Estado. Mas não conhecemos o conteúdo da proposta", diz a Secretaria.

Violência

Por meio de nota, o secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame lamentou ter dito que o Rio não é violento. A frase foi dita ontem durante uma audiência na Câmara dos Deputados.

O secretário afirmou que "tem a exata dimensão dos problemas que enfrenta". Na visão de Beltrame, o Rio é o único Estado em que facções criminosas disputam territórios armados com arsenal de guerra. A forte presença do narcotráfico impede que o Rio seja "comparável com a maioria das metrópoles do País e do mundo". O secretário admitiu que os conflitos afetam não só os moradores das áreas disputadas como as pessoas que residem em locais distantes dos conflitos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.