Crise hídrica: bônus sobe 4% e multa cai 1% em abril, diz Sabesp

Por iG São Paulo - | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Empresa gasta R$ 77,5 milhões com descontos a quem reduziu o consumo e arrecada R$ 44,6 milhões com punição a gastões

Bombas para captar volume morto do sistema Cantareira, que está no negativo há 1 ano
Vagner Campos/A2 Fotografia - 15.5.15
Bombas para captar volume morto do sistema Cantareira, que está no negativo há 1 ano

O gasto da Sabesp com o bônus pago aos consumidores que reduziram o consumo de água aumentou em abril. Já o valor arrecadado com as multas aplicadas a quemg astou mais aumentou.

No mês passado, a companhia gastou - ou deixou de arrecadar - R$ 77,5 milhões com os descontos concedidos aos consumidores que reduziram em pelo menos 20% o consumo de água em relação à média de fevereiro de 2013 a janeiro de 2014. O valor é 4% maior do que os R$ 74,5 milhões de março.

Já a sobretaxa, aplicada a partir deste ano às contas dos clientes que aumentaram o consumo, rendeu R$ 44,6 milhões aos cofres da companhia em abril, 1% a menos que os R$ 45,1 milhões do mês anterior.

Com as variações, o valor arrecadado com as penalidades passou a cobrir uma fatia menor do impacto do bônus nas contas da Sabesp. A companhia obteve R$ 0,58 para cada R$ 1 de desconto em abril, ante R$ 0,61 em março.

Para a Sabesp, os números mostram que o sistema de penas e bonificações tem cumprido o seu objetivo de estimular as pessoas a economizarem.

"A relação da tarifa de contingência sobre o bônus caiu porque mais pessoas economizaram: uma parcela dos que pagaram a tarifa de contingência passou a receber o bônus, o que comprova a eficácia do programa", informou  a companhia, em nota.

Leia também:

- Com chuva abaixo da média, Grande SP chega à estiagem com menos água que em 2014

- Governo de SP recorrerá de multa por operação irregular com reservatórios de água

- Vazão de retirada do Cantareira terá de ser reduzida a partir de setembro

- Cobrança extra na conta de água de SP começa a ser discutida, diz Sabesp

Os números sugerem que houve uma redução no consumo de água em abril, o primeiro mês da estação seca, que vai até outubro e na qual a Região Metropolitana de São Paulo entrou com cerca da metade da água em seus reservatórios em relação ao que havia em 2014.

O volume de água retirada do Sistema Cantareira, o principal da cidade e que está com -9,8%, recuou de 14,23 mil litros por segundo, na média de março, para 13,67 mil litros em abril, segundo dados da Agência Nacional de Água (ANA). Essa diminuição, entretanto, pode estar relacionada ao fato de que clientes antes abastecidos pelo manancial passaram a ser atendidos por outros, como o Alto Tietê.

Assista: Sabesp corta água e não só reduz pressão, denunciam técnicos




Leia tudo sobre: sabespcantareiracrise hídricacrise da água

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas