Nível do Sistema Cantareira não sobe apesar das fortes chuvas recentes em SP

Por iG São Paulo * | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Volume total nos reservatórios do sistema permanece estável, em 19,9%, há uma semana; meteorologistas alertam para aumento da crise a partir dos próximos meses, de estiagem

As fortes chuvas que atingiram todo o Estado de São Paulo nos últimos dias não refletiram no aumento do nível do Sistema Cantareira, que permanece estável há uma semana, desde o último sábado (11), em 19,9%.

Leia mais:
Nível do Sistema Cantareira voltará a cair em abril, alertam meteorologistas

O nível é mais alto do que o registrado no início de abril, no qual, até este sábado (19), havia chovido apenas 15,7 mm dos 89,8 mm esperados para o mês. De acordo com dados da Companhia de Saneamento do Estado de São Paulo, de uma semana para cá só houve registro de chuvas na região em dois dias – quinta (16) e sexta-feira (17) –, com 3,9 mm e 0,6 mm de precipitação, respectivamente. 

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

A situação é melhor em outros sistemas, alguns deles suprindo as necessidades da população que, até o aprofundamento da crise, eram atendidas pelo Cantareira.

O Guarapiranga, por exemplo, operava neste sábado (18) com 83,2% de sua capacidade, alta de 0,1% em relação à véspera; o Sistema Rio Claro, com 45,1%, elevação de 0,1%; o Alto Tietê, com 22,2%, alta de 0,1%; e o Alto Cotia, com 65%, com aumento de nível de 0,2%. O Sistema Rio Grande permaneceu estável nas últimas 24 horas, 96,3%.

Leia também:
Especialistas alertam: chuva será insuficiente para recuperar Cantareira
"Até Cantareira chegar a 29%, SP viverá situação de contingência", diz Sabesp
Crise hídrica deve ser pior neste ano do que em 2014, diz presidente da Sabesp

Devido à crise de abastecimento, a Sabesp passou a reduzir gradativamente as áreas atendidas pelo Cantareira. O sistema, que fornecia o recurso a cerca de 9 milhões de pessoas, passou a fornecer água apenas para 5,4 milhões. 

A medida mais recente do governo paulista foi incluir o Sistema Rio Grande no abastecimento da capital do Estado. Segundo o anúncio feito no início desta semana, o manancial passou a atender bairros da zona sul, antes abastecidos pela Represa do Guarapiranga – que agora fornece água a 250 mil pessoas da região do Cantareira.

* Com Agência Brasil

Leia tudo sobre: igspcantareiracrise hídrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas