Nível do Sistema Cantareira voltará a cair em abril, alertam meteorologistas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

De acordo com a Climatempo, situação é pior à do mesmo período de 2014, quando sistema ainda contava com parte de seu volume útil; não chove nos reservatórios desde 9 de abril

A falta de chuvas nos reservatórios do Cantareira começará a afetar o volume de água armazenado no sistema a partir deste mês de abril. É o que afirmam levantamentos realizados por meteorologistas da Climatempo, segundo os quais a estiagem será a realidade daqui para frente até o início da próxima temporada de precipitações, prevista para setembro/outubro.

Imagem calamitosa de reservatório do Cantareira: antes estável, ele deve passar a perder volume
Futura Press
Imagem calamitosa de reservatório do Cantareira: antes estável, ele deve passar a perder volume

"Teremos uma passagem de duas frentes frias nos próximos 15 dias, talvez até com algum chuva mais forte em algum dia. Mas a característica do outono e DO inverno é sempre a mesma: não são meses chuvosos", diz Bianca Lobo, meteorologista da empresa especializada em previsões do tempo. "Estamos em uma situação muito pior do que a do ano passado. Neste período, em 2014, ainda tínhamos o volume útil [no Cantareira]. Hoje, vivemos no vermelho, no volume morto, e temos todo o sistema a recuperar."

Leia mais:
"Até Cantareira chegar a 29%, SP viverá situação de contingência", diz Sabesp
Crise hídrica deve ser pior neste ano do que em 2014, diz presidente da Sabesp

Dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) afirmam que, entre 1º e 13 de abril, choveu apenas 11,2 mm sobre os reservatórios do Cantareira, 12,4% dos 89,8 mm esperados para o acumulado de todo o mês.

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis

Apesar do baixo índice pluviométrico, o nível do sistema se manteve estável ao longo dos últimos dias, como consequência das chuvas de fevereiro e março, bem acima da média, que ajudaram a abastecê-lo por meio dos rios de Minas Gerais que desembocam nos reservatórios. Entretanto, tal rescaldo de chuvas anteriores começa a cessar e, portanto, o sistema inteiro passa a perder volume devido à ausência de chuvas.

Leia também:
Vereador propõe suspensão do Carnaval para conter crise hídrica em São Paulo
Crise hídrica faz com que ao menos 30 municípios do País cancelem Carnaval
Especialistas alertam: chuva será insuficiente para recuperar Cantareira

"Não podíamos ter desapertado nunca o debate e as medidas em relação à crise hídrica. A situação segue muito delicada e teremos, sem dúvida, ao menos três anos de aperto para recuperar o Cantareira – se tudo for feito da forma certa", alerta Bianca. "O governo tem de ser responsável. É preciso voltar a falar sobre a gravidade da crise, lembrar a população de que nada está normal e de que o controle da crise precisa e deve continuar."

Leia tudo sobre: sistema cantareiraigsp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas