O nível leva em consideração o uso da segunda cota do volume morto ou reserva técnica

Agência Brasil

Pela décima oitava vez consecutiva voltou a subir, nesta segunda-feira (23), o nível do principal manancial de abastecimento da região metropolitana de São Paulo, o Cantareira, passando de 10,4% para 10,6%. O nível leva em consideração o uso da segunda cota do volume morto ou reserva técnica (retirada da água que fica abaixo das comportas).

Poupar e educar: as armas de San Francisco contra a seca

"Abandonada" e perigosa, água da chuva ganha uso por moradores em São Paulo

A elevação ocorreu sem a ocorrência de chuvas na região do sistema, ontem (22) e hoje. Com a alta, praticamente, a condição do Cantareira equivale à do período em que teve início a utilização da segunda cota, em 15 de novembro do ano passado, quando o reservatório atingiu o nível de 10,7%. Segundo a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), se a elevação do nível dos seis reservatórios prosseguir, nos próximos dias, as retiradas de água serão feitas da primeira cota.

A primeira cota do volume morto começou a ser bombeada em maio de 2014, quando o armazenamento era de 182,5 bilhões de litros de água no sistema . Quando entrou em operação a retirada da segunda cota, o volume era de 105 bilhões de litros de água. A capacidade total do Sistema Cantareira é de 1 trilhão de litros.

Além das chuvas mais frequentes neste mês, com um acumulado de 266,5 milímetros (mm), bem acima da média histórica para todo o mês de fevereiro (199 mm), o que tem contribuído para essa evolução é a campanha de redução no consumo com a distribuição de bônus para quem gasta menos água e de multa em caso de desperdícios.

Em fevereiro, também houve diminuição mais drástica no limite máximo de retirada de água desse sistema. A quantidade estabelecida pela Agência Nacional de Águas (ANA) e pelo Departamento de Águas e Energia Elétrica de São Paulo (Daee) passou de 22,9 milhões de metros cúbicos (m³), em janeiro, para 7,2 milhões de m³, em fevereiro. A vazão média para a região metropolitana foi fixada em 13,5m³/s e para a bacia dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), de 2 m³/s.

Em nenhum dos demais sistemas de abastecimento administrados pela Sabesp foi registrada a ocorrência de chuvas, mas ainda assim dois mananciais elevaram os níveis de água armazenada: o Alto Tietê (de 18,2% para 18,3%) e o Rio Claro (de 35,3% para 35,4%). Na represa do Guarapiranga o nível ficou estável em 57,5% e no Alto Cotia, houve queda (de 83,6% para 83,4%). O mesmo aconteceu em relação ao Rio Grande (de 83,6% para 83,4%).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.