Ministério Público abre investigação sobre cobrança por ar nos canos da Sabesp

Por Carolina Garcia - iG São Paulo* | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Documento determina prazo de 15 dias para companhia dar explicações sobre suposta "cobrança indevida". Clientes sofrem com aumento nas contas após cortes de água

O Ministério Público de São Paulo instaurou um inquérito civil para investigar a suposta cobrança por ar nos canos da Sabesp. Como o iG revelou, clientes da companhia alegaram um significativo aumento nas contas após a manobra de redução de pressão e corte de abastecimento, adotados pela empresa durante a crise hídrica de São Paulo.

O documento assinado pelo promotor Gilberto Nonaka determina o prazo de 15 dias para a Sabesp dar explicações sobre o ocorrido e cobra ainda informações sobre as empresas que fornecem hidrômetros para a companhia. O iG informou na sexta-feira (20) que a possibilidade de que o cliente acabe pagando por ar é real.

Ao girar para trás por causa do ar, hidrômetro do serralheiro Ademir foi de 0 para 999873
Vitor Sorano/iG
Ao girar para trás por causa do ar, hidrômetro do serralheiro Ademir foi de 0 para 999873

Entenda: Com falta d'água, clientes da Sabesp dizem pagar por ar; técnico confirma risco

"Tem ar sim [na rede de abastecimento] e aumenta a conta da população", disse um técnico da Sabesp, que pediu para não ser identificado. "Como não está tendo água, as contas estão disparando [por causa do ar]."

Nonaka alega em sua decisão que o objetivo é verificar se estão ocorrendo "cobranças indevidas" pelo ar que passa no cano e é capaz de girar o hidrômetro. 

"Em síntese relatam os representantes que, em razão do fornecimento intermitente de água, há o acúmulo de ar na tubulação. Quando o fornecimento de água está para ser normalizado, grande volume de ar passa pelo hidrômetro que é cobrado pela empresa investigada como se fosse água potável", afirma. E continua: "Isso conduz o consumidor a não conseguir atingir a meta de redução proposta pela investigada". O promotor encerra dizendo que se necessário poderá mover uma ação civil pública.

Procurada, a Sabesp disse por meio de nota que fornecerá as informações ao MP "no momento em que for solicitada". O órgão disse ainda que "diversos testes realizados" indicaram que a quantidade do ar que chega ao hidrômetro "é insignificante e não representa diferença na conta mensal" dos clientes.

Clientes da Sabesp registram presença de ar nos canos após corte de água:

Bloqueadores de ar

A Sabesp tem instalado uma espécie de bloqueador de ar nos medidores de seus clientes. O objetivo é impedir que, quando falta água, situação relatada por 71% dos paulistanos, o relógio gire para trás. A companhia nega a prática.

A filha do serralheiro Ademir (que pediu para ter seu sobrenome preservado) filmou o momento em que o hidrômetro, como é chamado o medidor de água, girava para trás, há algumas semanas. Em seguida, uma equipe da Sabesp esteve na casa dele para instalar um pequeno equipamento no cavalete, conta o morador.

Leia mais:

Mutirão propõe salvar Sistema Cantareira com cultivo e produção de água
Não se pode dizer que não haverá rodízio de água, diz Geraldo Alckmin
Conheça os negócios ameaçados de extinção pela crise da água

"Dois dias depois estavam aí para verificar", diz Ademir, que vive em um bairro na periferia de São Paulo onde, segundo ele, o abastecimento tem sido cortado das 19h às 13h do dia seguinte.

Emília Romiti, moradora da Vila Ema, filmou hidrômetro girando em razão do ar
Vitor Sorano/iG
Emília Romiti, moradora da Vila Ema, filmou hidrômetro girando em razão do ar

A instalação desse equipamento foi confirmada por um técnico da companhia, que pediu anonimato por medo de represálias, e seria feita às escondidas do cliente. "A gente é proibido de falar para o consumidor que estamos instalando. O que a gente fala para o cliente? Fala que esta trocando o lacre", conta o técnico.

O equipamento, entretanto, não impede o hidrômetro gire para a frente e eleve artificialmente o consumo de água, como denunciam alguns clientes ouvidos pela reportagem.

Moradora da Vila Ema, bairro da periferia da zona leste de São Paulo, Emília Romiti viu sua conta saltar de R$ 150,91 em dezembro para R$ 301,82 em janeiro. "Fiz um filme [do hidrômetro contabilizando ar] e vou levar para eles. Quando falta água é que isso acontece", conta a dona de casa.

*colaborou Vitor Sorano, iG São Paulo

Leia tudo sobre: crise da águasecacrise hídrica

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas