Sabesp corta água em SP e não só reduz pressão, denunciam técnicos da empresa

Por Carolina Garcia e Vitor Sorano - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

"Na hora que a senhora fica sem água é a hora em que estamos fechando tudo", explica técnico ao suspender abastecimento

A Sabesp tem feito cortes no abastecimento de água em São Paulo há pelo menos seis meses, denunciam dez funcionários da empresa ouvidos pelo iG. A companhia atribui a falta de água percebida pelos consumidores – "uma minoria", segundo a organização – à redução de pressão realizada para evitar vazamentos, e nega a existência de racionamento ou rodízio.

Na semana passada, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse que sua gestão optou por não "zerar o sistema", e argumentou ainda não ter se decidido sobre a implantação de um rozídio na região metropolitana de São Paulo. Segundo os funcionários ouvidos, no entanto, a região enfrenta um revezamento de água desde agosto de 2014.

Técnico conta que abre e fecha registros nas madrugadas e manhãs desde agosto de 2014, em SP
Carolina Garcia/iG São Paulo
Técnico conta que abre e fecha registros nas madrugadas e manhãs desde agosto de 2014, em SP

Sem saber que falava com a reportagem, um funcionário da Sabesp confirmou que a operação se tratava de um fechamento, feito diariamente naquele horário. "Volta às quatro horas da madrugada."

Nesta semana, a reportagem acompanhou quatro operações técnicas em três locais diferentes da capital. E em duas delas, segundo os técnicos, houve bloqueio total do abastecimento de água, que só seria reativado horas depois – numa terceira, houve a reabertura após cerca de 12 horas de torneiras secas. Na última operação, o desligamento foi feito dentro de um reservatório por volta das 13h e ficaria assim até as 4h da madrugada.

A medida é típica de uma política de racionamento e acarreta numa suspensão total de abastecimento de água para diversos bairros, inclusive naqueles que ficam em regiões localizadas em um nível mais baixo do que o do próprio reservartório e que, em tese, não sofreriam desabastecimento, explica o técnico João (nome fictício). Os horários de corte, segundo outros funcionários, normalmente coincidem com a lista de redução de pressão divulgada pela companhia em seu site.

No vídeo abaixo, um outro funcionário alega ser falso atribuir a falta de água à redução de pressão. "O governo falou que está só reduzindo a pressão. Mas a senhora não fica sem água? Na hora que fica sem água é a hora que estamos fechando tudo", disse ele, reproduzindo o diálogo que manteve com uma moradora do bairro. "As pessoas já estão desconfiando do que fazemos aqui".

Assista ao vídeo com funcionários da Sabesp:

Um terceiro funcionário relata que a Sabesp faz uma espécie de rodízio, alternando o fornecimento de água entre os bairros por meio de abertura e fechamento de registros nas ruas. O mesmo ocorreria nos reservatórios, com fechamentos que atingem conjuntos de bairros.

"As VRPs [válvulas redutoras de pressão] são usadas para conter uma área específica. Então por que todos os setores apresentam falta de água? Eles estão fechando as saídas dos reservatórios", explicou o técnico Marcelo (nome fictício), que tem quase 20 anos de experiência na companhia.

Um quarto funcionário da Sabesp, também ouvido sem saber que falava com a reportagem, admitiu que as operações que têm sido realizadas deixam bairros inteiros sem água – e não apenas um ou outro imóvel.

"Não tem rodízio"

A Sabesp se negou a fornecer a lista de cortes - como os denunciados pelos funcionários - já realizados e que eventualmente venham a ocorrer. Até hoje, a companhia admite apenas ter intensificado o programa de redução de pressão nas tubulações, que resultaria em falta de água para "bem menos de 1%" da população, "formada em geral pelos que moram em pontos elevados e que não possuem caixa d'água."

"A Sabesp esclarece que não há rodízio ou racionamento em São Paulo. O que está em operação é redução de vazão para evitar perdas de água nas tubulações", informou, em nota. "A empresa ainda recomenda que os clientes tenham caixas d´água em seus respectivos imóveis, que possibilitem a reservação por um período mínimo de 24 horas, o que pode atenuar os efeitos da redução de pressão na tubulação."

Pesquisa Datafolha de outubro de 2014, entretanto, apontava que 60% da população paulistana tinha ficado sem água em algum momento nos 30 dias anteriores ao levantamento (em junho, a fatia era de 35%). "Às 11h já está faltando todo dia, há quase três meses", diz o segurança Wagner Silva, de 40 anos, após a filha mostrar a torneira seca na entrada da casa. "Volta só de manhã".

O intervalo é o mesmo apontado por José Carlos Silva, que mora algumas quadras à frente. "Desde setembro, por aí, começou a faltar água. Começou às 15h e agora está acabando mais cedo", diz.

O próprio governador Geraldo Alckmin (PSDB) disse em 30 de janeiro que sua gestão havia decidido não fazer cortes de água e apostava na redução de pressão, medida responsável por 52% da economia de água do sistema Cantareira (o maior da região metropolitana) entre 2013 e a primeira quinzena de janeiro de 2015.

"Optamos pela válvula redutora de pressão porque com ela você não zera o sistema e, não zerando o sistema, diminui o risco de contaminação, porque você mantém o sistema sob pressão", disse o tucano na ocasião.

O objetivo principal das VPRs é diminuir as perdas com vazamentos, segundo um artigo escrito por funcionários da Sabesp e publicado em uma revista da companhia. Embora o equipamento acaba por diminuir a vazão consumida pelo cliente final, não é esse o intuito, segundo o estudo de um mestre em Engenharia Hidráulica pela USP.

"De fato, a redução de pressão nas redes irá afetar os pontos de consumo ligados diretamente à rede de distribuição, reduzindo as vazões consumidas. Não obstante, os pontos de consumo ligados a reservatórios (caixas d’água) não sofrerão qualquer impacto de redução de consumo (Farley & Trow, 2003)", diz o trabalho de Renato Gonçalves da Motta.

A Sabesp informa existirem cerca de 1.500 instaladas na Região Metropolitana de São Paulo.

Procurado, o governo do Estado preferiu não comentar.

Vaca caminha pela Represa Jacareí, no dia 29 de janeiro: normalmente ali teria água. Foto: Futura PressSituação calamitosa da Represa Jacareí, parte do Sistema Cantareira, no dia 29 de janeiro. Foto: Futura PressCarro no meio na Atibainha devido ao baixo nível da represa: cenário desolador. Foto: Futura PressPedalinhos inutilizados na Represa Atibainha, parte do Cantareira, em janeiro. Foto: Futura PressRepresa Atibainha, em janeiro de 2015. Foto: Futura PressLixo surge na Represa de Atibainha, em janeiro. Foto: Futura PressEm protesto contra a falta de água, governador Geraldo Alckmin é ironizado por manifestantes (26/01/2015). Foto: AP PhotoEm São Paulo, moradores organizaram uma passeata contra a falta de água. Foto: AP PhotoMoradores protestam contra a falta de água em São Paulo (26/01/2015). Foto: AP PhotoProtesto 'Banho Coletivo na casa do Alckmin', na manhã desta segunda-feira (23), em frente ao Palácio dos Bandeirantes. Foto: Futura PressFalta de água em São Paulo se agrava e motiva protestos . Foto: AP PhotoRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em setembro; veja mais imagens da situação dos reservatórios do Sistema Cantareira. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemRepresa do Jaguari, na cidade de Vargem, em foto de setembro. Foto: Luiz Augusto Daidone/Prefeitura de VargemObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura PressObras do Sistema Cantareira no segundo volume morto. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura Press Seca no reservatório do Rio Jacareí, em Joanópolis, São Paulo. Foto: Futura PressSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia StavisSistema Cantareira tem o menor nível em duas décadas. Foto: Patricia Stavis


Leia tudo sobre: crise da águacrise hídricasecasabesp

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas