Seca no Amazonas é a segunda maior da série histórica

O rio Negro, que banha Manaus, mediu nesta quarta-feira 14,09 metros e superou a marca de 1906, que foi de 14,20 metros

AE |

selo

A estiagem deste ano no Amazonas já é a segunda maior da série histórica medida pelo Serviço Geológico do Brasil (CPRM). O rio Negro, que banha Manaus, mediu nesta quarta-feira 14,09 metros e superou a marca de 1906, que foi de 14,20 metros, e está a 45 centímetros de superar a maior já registrada no rio, em 1963, quando chegou a 13,64 metros no fim de outubro daquele ano.

"Se o ritmo continuar com o rio subindo uma média de 20 centímetros por dia, como nos últimos três, até a sexta-feira o Negro deve bater o recorde de 1963", avaliou o geólogo do CPRM Daniel de Oliveira. O Solimões está subindo nos últimos dias e hoje (quarta) foram registrados 64 centímetros. No dia 14, o Solimões bateu o terceiro recorde do ano, marcando 86 centímetros negativos na régua de medição de Tabatinga, a 1.105 quilômetros da capital amazonense.

No dia 7 de setembro, com 36 centímetros negativos, o rio já tinha batido o recorde de 2005, até então a maior estiagem aferida pelo CPRM no Solimões. Naquele ano, o rio marcou dois centímetros negativos.

A Defesa Civil Estadual anunciou que concluiu nesta quarta a primeira fase de ajuda a 38 mil famílias em 19 municípios do Estado. Segundo a assessoria do órgão, a logística de distribuição ocorreu em Tabatinga, Cruzeiro do Sul e Tefé. Os polos ficaram responsáveis pela distribuição das cestas básicas, kits de higiene e de remédios para os municípios próximos. A Força Aérea Brasileira transportou o material até as cidades-pólo e, em alguns casos, houve o uso de helicópteros para chegar a comunidades isoladas.

A partir de quinta-feira, a Defesa Civil deve começar a enviar os kits e cestas básicas a dez municípios do baixo Solimões e próximos a Manaus. Cerca de dez mil filtros de água importados anunciados pelo órgão no início do mês ainda não chegaram à capital para serem distribuídos.

Veja abaixo imagens de Manaus antes e depois da seca.

    Leia tudo sobre: secamanaus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG