Se passar no Senado, STF vai julgar criação da CSS

A regulamentação da Emenda 29 enfrentará uma batalha judicial mesmo se passar pelo Senado. O texto aprovado pelos deputados deve ter a constitucionalidade questionada em pelo menos dois pontos: a criação de uma contribuição social e a alteração da base da cálculo do piso da saúde por lei complementar.

Agência Estado |

Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) já admitem que terão de julgar o caso, se a Contribuição Social para Saúde (CSS) for aprovada. Como terão de avaliar a ação, nenhum fala abertamente se considera legal ou não a forma como está sendo discutida a contribuição.

Alguns, porém, dizem veladamente que à primeira vista não parece haver problema de uma contribuição social ser criada por lei complementar. Especialistas têm argumentado que o fato de o tributo ser cumulativo, como era a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), demandaria a apresentação de uma proposta de emenda à Constituição e não de lei complementar.

Esses ministros do STF contam que a primeira CPMF, chamada de Imposto Provisório sobre Movimentação ou Transmissão de Valores (IPMF), foi criada por lei complementar. E, apesar de ressalvas do Supremo, foi mantida. Depois, com a aprovação de emenda à Constituição para prorrogar a cobrança da contribuição em 2002, diversas ações diretas de inconstitucionalidade chegaram ao Supremo. E novamente o tribunal manteve a cobrança do tributo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG