Saúde de major complica extradição para Argentina

A extradição do major uruguaio Manuel Juan Cordero Piacentini para a Argentina ganhou ontem um novo fator complicador. Após o médico particular do militar afirmar que seu estado de saúde piorou, o advogado Julio Favero pediu à Justiça licença para transferi-lo de Santana do Livramento, no Rio Grande do Sul, para a capital gaúcha, Porto Alegre.

Agência Estado |

Ele seria levado para o Instituto do Coração para novos exames cardiológicos.

O major de 71 anos é acusado de ter participado da Operação Condor, articulação secreta entre os órgãos de repressão política das ditaduras do Cone Sul, nos anos 70 e 80, que permitia perseguir os opositores dos regimes além da fronteira de cada país. A sua extradição foi requisitada pela Justiça da Argentina, que pretende julgá-lo pelo desaparecimento de dez pessoas e o sequestro de um bebê. Ele também é apontado como autor de torturas em 32 prisioneiros políticos.

A extradição foi concedida após um longo debate no Supremo Tribunal Federal (STF). Na terça-feira, porém, quando os agentes da Polícia Federal (PF) foram até sua casa, onde cumpria prisão domiciliar, para levá-lo à fronteira argentina, o major reformado alegou um mal súbito e foi internado para exames. Até ontem ele seguia internado num hospital em Santana do Livramento, assistido pelo seu médico particular, Leandro Tholozan.

Na capital argentina, o militar da reserva é esperado pelo juiz Norberto Oyarbide, encarregado das investigações sobre a Operação Condor. Até ontem, segundo informações de assessores do juiz, as autoridades brasileiras ainda não haviam confirmado a data da entrega do prisioneiro. De acordo com as mesmas fontes, quando chegar à Argentina, ele passará por exames médicos, antes do início do julgamento. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG