O quadro de saúde do menino de 2 anos e 7 meses, que teve dezenas de agulhas inseridas em seu corpo, evoluiu favoravelmente no período sem intercorrências, informou boletim médico do Hospital Ana Néri, em Salvador, onde ele está internado.


AE
Radiografia mostra as agulhas
Segundo comunicado divulgado neste somingo, o garoto, no segundo dia de pós-operatório de cirurgia cardíaca e torácica, respira "em ar ambiente, sem necessidade de drogas para aumentar a pressão, dados vitais regulares e sem febre.

"(Ele está) Lúcido e alimentando-se normalmente e em avaliação pelas equipes médicas para a decisão do momento adequado para abordagem cirúrgica do abdômen', diz o texto.

O auxiliar de serviços gerais Roberto Carlos Magalhães, padrasto da criança, confessou ser o responsável por inserir os objetos no corpo do menino durante supostos rituais de magia negra, informou a polícia.

Magalhães, de 30 anos, chegou a ficar desaparecido depois de prestar um primeiro depoimento. Apontado como principal suspeito, ele foi localizado em um hospital do município.

Leia mais sobre crime na Bahia

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.