O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse hoje que o Senado tem problemas e precisa de reformas, mas que está convicto de que o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-MA), saberá enfrentá-los, pois tem história política para isso. Acho que tem problemas sim, os problemas devem ser enfrentados.

E eu tenho convicção de que o presidente Sarney saberá enfrentá-los", afirmou ele, ao lado do deputado Sarney Filho (PV-MA). "É um homem que teve um papel muito importante no momento mais, talvez, importante nas últimas décadas, que foi o da transição democrática."

Aécio ressaltou a relação que mantém com o presidente do Senado e se recusou a comentar quando questionado se Sarney deveria se afastar do cargo. "Sequer comento um assunto como esse. É uma questão da esfera do Senado da República", disse. O governador disse que tem certeza de que o Congresso precisa passar por reformas e uma reorganização interna. "Acho que o presidente Sarney saberá conduzir isso", insistiu. Sarney Filho participou de uma reunião das bancadas estadual e federal do PV com o governador, no Palácio das Mangabeiras, em Belo Horizonte.

O presidente do Senado é um dos senadores citados entre os que teriam parentes beneficiados por meio de atos secretos adotados para criação de cargos, nomeações e aumentos salariais na Casa, conforme denunciou reportagem do jornal O Estado de S. Paulo . Entre parentes de Sarney que teriam sido beneficiados por medidas sigilosas estão uma cunhada, uma nora e duas sobrinhas. Além disso, o esquema de crédito consignado no Senado, alvo de investigação da Polícia Federal (PF), inclui entre seus operadores José Adriano Cordeiro Sarney, neto do peemedebista.

Já para o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), que também participou do encontro, o Senado precisa ser renovado e "grande parte dos funcionários têm de ser demitidos". Segundo ele, houve um "erro histórico" na constituição da atual estrutura da Casa. "Pode ser que grande parte dos senadores tenha se beneficiado dessa estrutura. Mas, se nós não temos santos, os pecadores mesmo têm que realizar a tarefa histórica. E a tarefa histórica é colocar um Senado enxuto, transparente e correto para a população." Sarney Filho se esquivou de falar sobre o assunto, alegando que não queria "tirar o impacto" do encontro entre Aécio e parlamentares do seu partido.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.