BRASÍLIA (Reuters) - Em novo discurso de defesa, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), procurou rebater nesta quarta-feira as denúncias feitas contra ele e disse que vai resistir, permanecendo à frente da instituição. Não tenho senão que resistir. Foi a única alternativa que me deram, disse Sarney no plenário do Senado.

"Todos aqui somos iguais. Nenhum senador é maior que outro e por isso não pode exigir de mim que cumpra sua vontade política de renunciar. Permaneço pelo Senado, para que ele saiba que me fez presidente para cumprir o meu mandato", sentenciou o senador.

Com a utilização do recurso de transparências, Sarney negou ter cometido nepotismo, mesmo com a existência de parentes em uma lista de servidores do Senado citados por ele.

"É uma campanha pessoal sem respeitar a minha privacidade e os meus 55 anos de vida pública", lamentou.

Citou as acusações contra a administração do Senado, como o uso de atos secretos (medidas não publicadas), para dizer que "nesses seis meses que assumi o Senado só fiz corrigir erros e tomar medidas saneadoras".

Ele também evocou sua trajetória política como presidente da República (1985-1990), governador (1966-1971) e congressista para indicar coerência. Afirmou, por exemplo, que quatro dias após o golpe militar de 1964 defendeu o mandato dos parlamentares. O que se viu depois é a adesão de Sarney ao partido que apoiou a ditadura, a Arena.

Pouco antes do discurso, a reunião do Conselho de Ética do Senado foi suspensa por ter sido agendada para o mesmo horário. O órgão recebeu 11 denúncias por quebra de decoro parlamentar contra Sarney e ria indicar o destino de cinco acusações.

Ao final do discurso de Sarney, seus aliados, como o líder do PMDB, Renan Calheiros (AL), tentaram esvaziar o plenário, retomando o Conselho de Ética. O objetivo foi evitar a repercussão do discurso de Sarney pela oposição, que não teve sucesso.

(Reportagem de Fernando Exman)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.