Sarney quer que MP investigue acusação contra Zoghbi

Ao mesmo tempo que trabalha para abafar as denúncias sobre um esquema de corrupção nos contratos do Senado, que envolveria o ex-diretor-geral Agaciel Maia e senadores, o presidente José Sarney (PMDB-AP) tomou atitude oposta em relação a João Carlos Zoghbi, outro funcionário suspeito de irregularidades. Sarney acionou o corregedor-geral da Casa, Romeu Tuma (DEM-SP), para que o Ministério Público participe das investigações de supostas irregularidades nas operações de concessão de empréstimos consignados no Senado.

Agência Estado |

Zoghbi, ex-diretor de Recursos Humanos do Senado, é alvo de sindicância interna por supostas relações com o Banco Cruzeiro do Sul, que tem contrato com o Senado para oferecer crédito consignado a funcionários da Casa.

Segundo a "revista Época", Zoghbi montou uma empresa de fachada, tendo sua ex-babá, Maria Izabel Gomes, como acionista majoritária, para assessorar bancos que concedem empréstimos aos servidores do Senado. Só do Banco Cruzeiro do Sul, a empresa teria recebido R$ 2,5 milhões. Zoghbi, que pediu aposentadoria, está lotado atualmente no Instituto Legislativo Brasileiro (ILB). Ele foi exonerado da diretoria de Recursos Humanos por conduta irregular na função.

Segundo Tuma, Sarney decidiu incluir o Ministério Público nas investigações por recomendação do presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Demóstenes Torres (DEM-GO). Além de pedir um levantamento pormenorizado do Banco Central sobre os empréstimos consignados feitos aos funcionários do Senado, o corregedor quer saber se houve autorização de Zoghbi para que as margens consignáveis ficassem acima do limite de 30% do salário do servidor, que é o permitido por lei, e para permitir prazos maiores para o pagamento das prestações.

(Com informações do jornal "O Estado de São Paulo")

Leia mais sobre: Senado

    Leia tudo sobre: senadosenadores

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG