fraudada - Brasil - iG" /

Sarney diz que gravação feita pela Polícia Federal foi fraudada

BRASÍLIA - O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou nesta quarta-feira, em discurso de defesa no plenário, que uma gravação realizada pela Polícia Federal (PF) referente à Operação Navalha em que seu nome é citado foi fraudada. Realizada em 2007 para desmontar um esquema de irregularidades em licitações, essa investigação envolveu o empresário Zuleido Veras, dono da construtora Gautama e suspeito de ligação com a família Sarney.

Agência Estado |

Numa gravação em que Zuleido teria dito que iria à casa de Sarney, a voz não seria do empresário, mas de outra pessoa, disse o peemedebista.

Agora, quero mostrar aos senhores os métodos que foram adotados. Não encontrando nada contra mim, então, faltando, acho, notícia, querendo generalizar, os senhores vão ficar pasmados: fraudaram a fita que distribuíram aos jornais e incluíram o meu nome com a voz de uma outra pessoa, afirmou Sarney.

No discurso, o presidente da Casa apresentou, durante os 48 minutos, sua defesa para as denúncias contra ele no Conselho de Ética .

Agência Senado

Em um longo discurso de 48 minutos, Sarney se defendeu das acusações

Sarney é acusado de responsabilidade pela contratação de aliados e parentes por meio de atos secretos e de desvio de dinheiro destinado pela Petrobras à Fundação José Sarney e distribuído para empresas fantasmas e da família dele.

Uma representação e três das denúncias apresentadas contra ele no Conselho de Ética foram arquivadas pelo presidente do órgão, Paulo Duque (PMDB-RJ).

Confusão

No entanto, o discurso de Sarney apresentou pontos controversos. Sobre a nomeação de parentes na Casa, o parlamentar disse que não conhece Rodrigo Cruz , que trabalhou por dois anos no Senado.

"Rodrigo Cruz, também não sei quem é. Incluíram como se fosse nomeado por mim". Cruz se casou no dia 10 de junho com a filha de Agaciel Maia, Mayanna, e Sarney foi padrinho de casamento. Em uma foto, o parlamentar aparece ao lado do casal no dia da cerimônia.

AE

José Sarney ao lado de Rodrigo Cruz, de quem foi padrinho de casamento

O senador também afirmou que seu neto José Adriano Sarney - alvo de investigação da Polícia Federal (PF) por ser um dos operadores do esquema de crédito consignado na Casa - "nunca teve nenhuma relação com o Senado".

Porém, o próprio neto admitiu, em reportagem publicada no dia 25 de junho no jornal "O Estado de S. Paulo", que operava no Senado por meio de sua empresa, a Sarcris Consultoria, Serviços e Participações Ltda. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Sarney diz que não vai renunciar; assista ao vídeo:

Leia também:


Leia mais sobre: crise no Senado

    Leia tudo sobre: sarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG