Sarney diz que foi atropelado pela luta política

BRASÍLIA - Diante de vereadores, prefeitos, deputados e senadores amapaenses que foram, na manhã desta terça-feira, prestar-lhe solidariedade, o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou que foi atropelado por uma luta política que se desdobrou nos últimos meses e que resulta de sua influência na corrida pela sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Redação com Agência Senado |

"Estamos numa Casa política. Pelo fato de minha luta política ter algum peso na sucessão desencadeou-se essa crise para enfraquecer o presidente da República. Não posso senão resistir e ser firme, com a certeza de minha consciência e lisura no trato com as coisas administrativas. A coisa mais grave de que me acusam é de que eu tinha pedido para nomearem o namorado da minha neta".

Agência Senado
Sarney em encontro nesta terça-feira
No mesmo discurso para os políticos amapaenses, reunidos em círculo no gabinete da presidência, Sarney disse que, em 55 anos de vida pública, nunca foi envolvido em nenhum escândalo, sendo um contra-senso ser acusado disso agora.

"Nunca me acusaram de nada e agora desencadeia-se essa crise política. É essa consciência da tranquilidade que me dá forças. Se não fiz qualquer coisa de errada ao longo de minha vida pública, não esperaria 55 anos para fazer agora. Nunca me meti em qualquer coisa errada"

O encontro com Sarney foi pedido pelos próprios políticos amapaenses, interessados, segundo disseram, em trazer sua solidariedade ao presidente do Senado no momento em que ele enfrenta críticas lançadas pelos órgãos de imprensa.

Oriundos de vários partidos, cada político deu um testemunho do trabalho realizado por Sarney como representante do Amapá. O prefeito Luiz Beirão, de Laranjal do Jarí, disse por exemplo que não se jogam pedras em árvores que não dão flores.

"E o Sr. ainda tem muitos frutos a dar ao Amapá. Não esmoreça, vá até o final que o senhor será vitorioso", disse Beirão.

A vereadora Beta Moreira chegou a chorar, durante o encontro, dizendo-se ressentida com as críticas feitas a Sarney.

O senador Papaléo Paes (PSDB-AP) também falou para sustentar que toda a crise enfrentada pelo Senado "é um processo político, injusto e discriminatório". Apontando vários políticos tucanos ali presentes, o senador disse que o PSDB do Amapá está e sempre estará com Sarney.

Dizendo-se também emocionado, Sarney afirmou que não esperava uma visita suprapartidária com tão intensa manifestação de solidariedade.

"Sempre tive manifestações de apoio e sustentação. Em nenhum momento recebi do Amapá senão essa força, para que eu possa enfrentar as injustiças que venho enfrentando", disse o presidente do Senado.

Leia também:


Leia mais sobre: crise no Senado

    Leia tudo sobre: sarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG