Sarney defende liberdade, mas critica imprensa

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), aproveitou o relatório de atividades da Casa, em 2009, para defender a liberdade de imprensa e ao mesmo tempo criticar sua atuação. Na apresentação do relatório de atividades hoje, Sarney classificou a crise decorrente dos atos secretos do Senado de artificial e diz que um dos fatores que temos que equacionar é o papel da imprensa, que disputa com o Poder Legislativo o papel de porta-voz da opinião pública, sem submeter-se a mandatos ou regras.

Agência Estado |

No documento, ele se referiu à imprensa como grande colaboradora do Congresso.

"Quero também ressaltar a nossa identificação inseparável com a imprensa. Não podemos aceitar a dicotomia que se tenta impor de Poderes em confronto, mas ter sempre a visão de que a liberdade de expressão é uma garantia constitucional para ser instrumento da comunicação entre as diversas correntes de opinião, nunca para ser um instrumento de opressão e manipulação política. No seu papel de porta-voz da sociedade como um todo, ela deve ser e é uma grande colaboradora do Congresso Nacional. E cito aqui um fato histórico: quando o Congresso foi fechado em 1968, não passou um dia sem que o jornalista Carlos Castello Branco pregasse sua abertura", escreveu Sarney.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG