O governo de São Paulo anunciou estudos para a construção, em parceria com o governo do Rio, de uma nova estrada entre os dois Estados, paralela à Via Dutra. A nova rodovia, segundo o secretário estadual dos Transportes, Mauro Arce, não concorrerá com a Dutra nem com o trem-bala, cuja licitação deverá ser publicada em fevereiro ou março de 2009.

Dentro dos planos de expansão de estradas paulista, sem data para sair do papel, está também o prolongamento da Castelo Branco até a região de Presidente Prudente.

O custo da obra ligando as duas principais capitais do País está estimado em R$ 3,1 bilhões - R$ 1,3 bilhão no lado paulista, desde o fim da Rodovia Carvalho Pinto, cuja licitação para concessão foi lançada na segunda-feira, até a divisa com o Rio, na cidade de Queluz. São previstos cerca de 130 quilômetros. Já o trecho fluminense, também com 130 quilômetros, tem orçamento estimado de R$ 1,8 bilhão, por causa do trecho da Serra das Araras.

A proposta em estudo com o secretário de Obras e vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, é que seja feita concessão com pedágio. "A idéia mais fácil é a construção da pista pela iniciativa privada e a cobrança posterior, como se fez com a segunda pista da Imigrantes e será feito com o Trecho Leste do Rodoanel", adiantou Arce.

O trecho paulista, destaca ele, está mais adiantado, uma vez que a chegada à capital já conta com a Rodovia Ayrton Senna e sua continuação, Carvalho Pinto. "No edital de concessão da Ayrton e da Carvalho, colocamos a obrigação de construção de 8 quilômetros entre a entrada para Campos do Jordão e a entrada da Rodovia Oswaldo Cruz, de acesso a Ubatuba." Esse trecho deve ser concluído em 2010. Existe possibilidade até mesmo de ampliar o trecho para 40 quilômetros, até a cidade de Aparecida, por causa da demanda específica de turismo religioso. Também em 2010 devem ser concluídos os estudos da nova ligação Rio-São Paulo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.