O banco espanhol Santander informou hoje que suas operações no Brasil geraram um lucro de 961 milhões de euros (US$ 1,36 bilhão) no primeiro semestre deste ano, o que representa uma queda de 0,1% em comparação com o registrado em igual período do ano passado. No informe financeiro apresentando em seu site, o Santander afirma que a economia brasileira segue evidenciando uma importante resistência diante da crise internacional, mas destaca também que o crédito total do sistema aumentou 21% no segundo trimestre, em relação a igual período do ano passado, ritmo notavelmente inferior ao de trimestres anteriores.

Em toda a América Latina, o lucro atribuído ao grupo somou 1,8 bilhão de euros no primeiro semestre do ano, um valor 3,9% menor que o de igual período de 2008. O dado inclui os resultados do Banco Real no Brasil.

O Santander afirma que as principais economias da América Latina continuaram apresentando contrações no primeiro trimestre do ano. "Para o segundo trimestre, são previstas quedas adicionais do Produto Interno Bruto (PIB), mais moderadas em todos os países, e espera-se o início de uma trajetória de suave crescimento na segunda metade do ano." O Santander afirma possuir 35,8 milhões de clientes na América Latina, dos quais 21 milhões estão no Brasil.

Reestruturação

O Santander no Brasil fará uma reestruturação societária, com o objetivo de consolidar parte dos investimentos do grupo no País e unificar determinadas atividades que atualmente são operadas por entidades jurídicas distintas, visando o consequente fortalecimento da sua estrutura patrimonial, operacional e organizacional.

A medida envolve as seguintes empresas: Santander Seguros, Santander Brasil Asset Management Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários, Banco Comercial e de Investimento Sudameris (BCIS), Santander Investimentos em Participações (SIP), Santander Advisory Services e ABN AMRO Administradora de Cartões de Crédito (AA Cartões).

Em fato relevante divulgado hoje ao mercado, o banco diz que, na primeira etapa, haverá incorporação da totalidade das ações de emissão da Santander Seguros, da Santander Brasil Asset e do Banco Comercial e de Investimento Sudameris (BCIS) ao patrimônio do Banco Santander, a ser submetida à apreciação dos acionistas das respectivas sociedades nas assembleias gerais extraordinárias a serem realizadas no dia 14 de agosto de 2009.

Na segunda etapa, haverá cisão total da companhia Santander Investimentos em Participações com versão de parcelas do seu patrimônio para a Santander Advisory e para o Banco Santander, além de incorporação da AA Cartões e do BCIS pelo Banco Santander. As mudanças serão submetidas à apreciação dos acionistas e sócios das respectivas sociedades nas assembleias gerais extraordinárias e reunião de Sócios a serem realizadas no dia 31 de agosto de 2009.

As administrações do Banco Santander, da Santander Seguros, da Santander Brasil Asset e do BCIS estabeleceram as relações de substituição de ações nas incorporações de ações com fundamento nas avaliações econômicas das sociedades, tendo fixado os valores de R$ 224,973019, R$ 269,877414, R$ 41,611341 e R$ 13,202022 por lote de mil ações, para o Banco Santander, para a Santander Seguros, para a Santander Brasil Asset e para o BCIS, respectivamente, independentemente da espécie das ações.

As incorporações de ações resultarão em um aumento do capital social do Banco Santander mediante a conferência de todas as ações de propriedade dos atuais acionistas da Santander Seguros, da Santander Brasil Asset e do BCIS ao patrimônio do Banco Santander, exceto as ações de propriedade do próprio Banco Santander, com base no valor contábil das referidas ações, no montante de R$ 2,471 bilhões, para R$ 49,623 bilhões.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.