Salto alto: conflito entre estética, sedução e saúde

Salto alto: conflito entre estética, sedução e saúde Por Humberto Maia Junior São Paulo, 29 (AE) - Quando está sobre os saltos dos sapatos, Ana Paula Saad se sente poderosa. A mulher de salto fica mais elegante, com postura.

Agência Estado |

A gente se sente mais segura", diz a atriz de 30 anos, que garante: "Posso sair de casa sem maquiagem, mas sem salto, não dá". Mas o aliado das baixinhas cobra seu preço. No melhor da festa, no momento em que Ana Paula se sente mais deslumbrante do que nunca, surgem as dores: na sola do pé, nos joelhos e nas costas, pouco acima do bumbum. A verdade - comprovada cientificamente - é que esse acessório feminino faz um mal imenso à saúde delas.

A evidência mais recente é o trabalho da fisioterapeuta Patrícia Pezzan. A dissertação de mestrado dela, defendida no fim de agosto na Universidade de São Paulo (USP), mostrou que o uso do salto Anabella - que acompanha toda a sola do calçado, considerado menos pior - também prejudica a postura das mulheres se for usado desde a puberdade.

"Na adolescência, o corpo está sendo estruturado", explica a fisioterapeuta. "Se, nesse período, a pessoa sofre muitas intervenções negativas, imagina como ela estará quando se tornar adulta?" Entre os vários problemas, o salto altera a forma de caminhar, o que leva a problemas musculares.

A fisioterapeuta, ligada à Pontificie Universidade Católica (PUC) de Poços de Caldas (MG), explica que esse tipo de sapato provoca o desequilíbrio: o tempo de contato dos pés com o chão fica diminuído. Ou seja, mal pisa, a mulher já tira o pé do chão, acelerando a caminhada. O processo altera o impulso do pé, o que sobrecarrega os músculos das pernas.

Ana Paula sabe como isso funciona. "Tem de saber andar sobre saltos", diz a atriz, que aprendeu como fazer no curso de manequim. "Eu andava errado e quem não sabe pode dobrar o joelho ou machucar o tornozelo."

Segundo Patrícia, os problemas aparecem quanto mais cedo e quanto maior o período em pé ou caminhando sobre saltos altos. Não há um tempo ideal de uso, que varia conforme os hábitos da mulher.

Mas a fisioterapeuta diz que passar pelo menos três dias da semana em pé ou sem movimento por pelo menos quatro horas já pode provocar os sintomas. "Quem trabalha de pé ou anda muito pode se prejudicar se usar salto todos os dias."

Ana Paula usa saltos desde os 15 anos. Gosta de todos os tipos. "Mas quanto mais alto, melhor." E as dores? "Na hora de calçar o sapato, não pensamos na dor", diz, assumindo o papel de porta-voz das mulheres. "A gente pensa na postura, no visual, em ficar sexy." E completa: "Dor, a mulher passa sempre: no parto, na depilação... não pensamos na dor. Pensamos na beleza".

O salto é popular até entre pessoas que tratam os problemas causados por eles. A ortopedista Cibele Réssio é fã incondicional dos sapatos de salto. "Graças a Deus, eles existem." Por dois motivos: parte de seu sucesso profissional vem das mulheres que, toda semana, a procuram para tratamento de joanetes. "Opero até seis mulheres por semana. É o meu ganha-pão no dia a dia", brinca.

E o outro motivo? Como muitas mulheres, é fã incondicional do salto. "Uso todos os dias e tenho 400 pares no armário." Usa tanto, que ela também teve de passar por cirurgia de joanetes. "A gente adora e os homens também. É um círculo vicioso, mas que ele destrói nossos pés, destrói."

Boxe:
ACESSÓRIO É PROIBIDO PARA CRIANÇAS
Semana passada, fez sucesso na internet a foto de Suri, filha dos atores Tom Cruise e Katie Holmes andando graciosamente em sapatinhos de salto alto. Sim, a menina de 3 anos está uma gracinha posando de adulta. Mas, não, não faça isso com sua filha. Os riscos de ela sofrer algum problema no futuro são muito grandes, a ponto de o mundo poder viver bem sem esse tipo de imagem, como a de Suri.

Se em adolescentes o uso constante do salto alto pode afetar a postura e provocar dores e deformações, em crianças o problema é ainda mais grave. "Antes da primeira menstruação, é proibido", diz a ortopedista da Unifesp Cibele Réssio.

Antes disso, o corpo está mais suscetível aos problemas causados pelo salto alto. "O esqueleto da criança ainda está em formação nessa fase e o salto aumenta e antecipa as deformidades", diz Cibele, que fez uma pesquisa mostrando que todo salto acima de 3 centímetros prejudica a mulher.

A fisioterapeuta Patrícia Pezzan diz que as meninas devem usar sapatos confortáveis e sem salto. "Se em adolescentes encontramos alterações, nas crianças, os problemas no joelho e nos pés serão muito mais intensos."

Boxe:
OS PROBLEMAS
Aumento da lordose lombar (empinamento do bumbum)

O joelho valgo (muito próximos) e os pés afastados provocam o formato em X nas pernas

Sobrecarga nos joelhos

Torção no calcanhar

Sobrecarga no músculo das pernas

Joanetes

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG