Saiba tudo sobre seu carro e não fique a pé

Você realizou seu sonho. Depois de meses na auto-escola, testes teóricos e práticos e pagamento de taxas, você finalmente conseguiu tirar a tão sonhada carteira de motorista. Mas o que parecia um sonho pode se tornar um pesadelo. É cada vez maior o número de motoristas novatos que se desespera ao se deparar com o primeiro problema que um carro pode apresentar.

Anderson Dezan, repórter do Último Segundo no Rio |

Foi o que aconteceu com a universitária Anna Beatriz Thieme. Ela mora com a mãe e a irmã, com quem divide o carro. Ela conta que estava sozinha em uma das vias mais movimentadas do Rio de Janeiro quando seu automóvel apresentou o primeiro problema.

"Eu estava em uma avenida muito movimentada e o carro simplesmente parou. Não andava. Levei a um mecânico sem conhecer o funcionamento de um veículo. Tive que confiar no profissional. Depois fiquei sabendo que o problema tinha acontecido no motor do automóvel. Hoje entendo a importância de se fazer revisões periódicas no carro e de entender um pouco mais sobre o funcionamento da máquina, sem precisar ser expert no assunto", diz Anna Beatriz.

Segundo dados da Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro, em 2007, o órgão contabilizou 63.515 atendimentos nas principais vias da cidade. Desse total, 37.492 casos foram por enguiço mecânico, 5.164 por pneus furados e 600 por falta de combustível. Esses números vêm comprovar a real importância de se fazer revisões freqüentes no carro para não correr o risco de ficar a pé.

De acordo com mecânico de automóveis Antonio Aquino Neto, algumas dicas simples podem ajudar a evitar problemas futuros nos veículos. Seguindo esses conselhos, os motoristas poderão aproveitar a potência máxima de suas máquinas por um bom tempo.

Veja as dicas:

- Calibragem dos pneus: A pressão de ar é o fator que mais influencia no desgaste do pneu e, por conseqüência, sua vida útil. O ideal é que se verifique a calibragem a cada 15 dias. É indicado que se encha os pneus com eles frios, de preferência pela manhã, para que o calor da rodagem não altere a pressão interna e, portanto, a medição.

- Água do radiador: Verifique a água do radiador uma vez por semana e somente com o motor frio. Geralmente, não precisa nem abrir o reservatório para verificar a quantidade de água. O motorista tem como ver o nível pelo vaso de expansão do radiador.

- Óleo: Um dos sistemas mais importantes de todo motor é o de lubrificação. Por isso, o nível de óleo deve estar sempre entre as marcas Mín e Máx da vareta de medição. A checagem do nível deve ser feita uma vez por mês e sempre com o motor frio, para que o óleo esteja todo depositado no fundo do cárter e assim você saiba como realmente está o nível. O óleo comum deve ser trocado a cada 5 mil km rodados. O valor do litro varia entre R$ 8 e R$ 12, de acordo com a marca. Já o óleo sintético, deve ser trocado a cada 10.000 km e o valor deste tipo de óleo varia entre R$ 18 e R$ 25, de acordo com a marca. É importante ficar atento aos apelos dos frentistas para verificar o nível do óleo, já que eles ganham comissão por cada litro vendido. O óleo acima do nível indicado pode passar para a vela, comprometendo o funcionamento do carro.

- Filtros: O carro possui alguns filtros que são de extrema importância para o funcionamento da máquina. Os três principais são: filtro de ar, filtro de combustível e filtro de óleo.

1) O filtro de ar evita que partículas sólidas presentes no ar sejam aspiradas pelo motor e causem danos internos. Esse tipo de filtro deve ser trocado a cada 20 mil km e custa, em média, R$ 15. Se o filtro de ar não for trocado, o carro poderá perder potência já que a restrição à passagem de ar aumentará.

2) O filtro de combustível retém a sujeira trazida pelo combustível e aquela produzida pelo tanque, como ferrugem, que pode provocar danos ao carburador ou às válvulas de injeção. Como o filtro de ar, o ideal é que se troque o filtro de combustível a cada 20 mil km rodados. O preço médio é de R$ 15.

3) O filtro de óleo tem como função reter as partículas sólidas e de carvão que ficam em suspensão no lubrificante e que podem causar problemas às peças móveis do motor. O filtro de óleo sintético deve ser mudado sempre que houver a troca deste tipo de óleo no carro. Já o filtro de óleo comum deve ser trocado a cada duas trocas deste tipo de óleo. O valor do filtro de óleo, tanto o sintético quanto o comum, varia entre R$ 14 e R$ 17, de acordo com a marca.

- Alinhamento: O alinhamento é responsável por manter o carro na linha, evitando que o veículo puxe para um lado, desde que transitando em piso regular. O ideal é que se faça um alinhamento a cada 10 mil km rodados. Algumas pessoas não andam essa quilometragem em um ano, portanto, para esses motoristas, é indicado um alinhamento a cada seis meses. Esse serviço também é recomendado a cada troca de pneus. O ideal é que se faça um rodízio dos pneus a cada 10 mil km. Os pneus dianteiros deverão ir para trás e vice-versa. Se o rodízio for feito da forma correta, o motorista trocará os quatro pneus de uma vez, o que é o mais indicado.

- Balanceamento: O balanceamento deve ser feito quando o motorista perceber que o volante está tremendo, ou seja, que há uma vibração na direção do veículo. Esse problema causa desgaste irregular nos pneus e provoca desconforto ao dirigir. O balanceamento também é recomendado a cada troca de pneus ou no rodízio de pneus (a cada 10.000 km), como no alinhamento. O ideal é que essas duas manutenções sejam realizadas sempre juntas.

- Rodas: O ideal é manter as rodas originais de fábrica. Se for necessário trocá-las, escolha sempre as de ferro, que são mais resistentes que as feitas de alumínio. Evite passar em buracos, pois essa ação poderá entortar ou amassar as rodas. Dirigir com os pneus vazios também pode atingir e danificar as rodas.

- Amortecedores: A função dos amortecedores é reduzir ao máximo os solavancos provocados pelo atrito dos carros com o solo. O ideal é trocar as molas e os amortecedores a cada 40 mil km rodados.

- Ligar o carro: As pessoas que não utilizam seus carros com freqüência devem ficar atentas. O ideal é que se ligue o veículo pelo menos uma vez por semana por 10 a 15 minutos. Esse é o tempo necessário para que a ventuinha elétrica arme e desarme, aquecendo assim totalmente o motor.

- Gasolina aditivada: A gasolina aditivada ajuda a manter limpo todo o sistema de alimentação, como a bomba de combustível, o cabeçote, a câmara de combustão e as válvulas de admissão e escapamento. A longo prazo, o uso da gasolina aditivada pode evitar despesas com limpeza de bicos e válvulas do motor. Além disso, esse tipo de combustível pode ajudar seu veículo a obter um melhor desempenho. O ideal é que a cada três tanques de gasolina comum, se coloque um de gasolina aditivada. É um pouco mais caro, mas no final compensa.

Leia mais sobre: carros

    Leia tudo sobre: carro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG