SAIBA MAIS-Bancadas estão divididas sobre destino do pré-sal

BRASÍLIA (Reuters) - O Congresso vem cobrando maior participação no debate sobre as formas de exploração e o destino dos recursos provenientes do petróleo do pré-sal, mas as bancadas dos principais partidos ainda se mostram muito divididas sobre os principais temas. Veja a seguir como as bancadas na Câmara e no Senado se posicionam no momento sobre a questão:

Reuters |

CÂMARA

PMDB (96 deputados)

Com relação a royalties, a bancada está dividida, mas é favorável à criação do fundo soberano. Quanto a uma eventual nova estatal, os deputados têm posição dúbia: são inicialmente a favor, desde que o papel da Petrobras seja preservado.

PT (79 deputados)

Ainda não fechou posição sobre nova estatal, mas é a favor do fundo soberano. A bancada afirma ver com bons olhos as mudança nas regras dos royalties. Mas quando o debate chegar à reta final no Congresso, o partido vai seguir o que o Palácio do Planalto orientar.

Bloco PSB, PDT e PCdoB (67 deputados)

Há divisão no bloco. O PDT dá apoio total à criação da estatal e do fundo soberano, mas não há consenso em relação a mudanças na lei dos royalties. O PCdoB segue na mesma indefinição. Já o PSB tende a ser contra a criação de uma estatal, mas a favor do fundo soberano e de mudanças na lei dos royalties.

PSDB (59 deputados)

Ainda não definiu posição quanto ao fundo soberano--apesar de questionar a origem dos recursos para abastecê-lo. A bancada afirma concordar em discutir mudança na lei dos royalties, mas é contra nova estatal para gerir os futuros contratos do pré-sal ainda não leiloados.

DEM (53 deputados)

É o partido que apresenta maior resistência às propostas discutidas pelo governo. A bancada é terminantemente contra a criação da estatal e ao fundo soberano. Com relação aos royalties, não há consenso

PR (44 deputados)

É contra a estatal, mas a favor de mudanças na lei dos royalties e criação do fundo soberano.

PP (40 deputados)

Ainda não fechou posição sobre o tema.

PTB (19 deputados)

Bancada não tem posição com relação à estatal e royalties, mas é a favor do fundo soberano.

PPS (14 deputados)

É contra fundo soberano e mudança na lei do Petróleo. O partido até cogita criar uma campanha 'Lula, não toque na Petrobras'.



SENADO

PMDB (21 senadores)

Partido muito dividido em relação aos temas do pré-sal, apesar de ser a favor do fundo soberano. Ainda não há consenso sobre mudança na lei dos royalties.

PSDB (13 senadores)

A bancada não fechou posição a respeito, mas afirma que a criação de uma estatal é uma 'tolice' e um desserviço à Petrobras. Quanto ao fundo soberano, a liderança diz que sua criação só fará sentido daqui a muitos anos, quando o Brasil já estiver explorando o pré-sal.

DEM (12 senadores)

Não há posição partidária ainda, mas a bancada vê a criação da estatal e do fundo soberano com maus olhos.

PT (12 senadores)

A bancada do Senado não tem posição oficial alguma, mas tende a votar fechada com o governo quando o debate chegar ao Congresso.

PDT (5 senadores)

Apoio à estatal e ao fundo soberano, mas dividido sobre royalties.

PTB (7 senadores)

Bancada ainda não definiu posição.

PCdoB (1 senador)

Apoia a criação da estatal e do fundo soberano, mas ainda não se definiu sobre royalties.

(Reportagem de Natuza Nery e Ana Paula Paiva)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG