Russa Ksenya Sukhinova é eleita Miss Mundo 2008

A russa Ksenya Sukhinova, uma loira siberiana de olhos azuis, de 21 anos, foi eleita Miss Mundo 2008, na noite deste sábado, em Johannesburgo, derrotando outras 108 candidatas.

AFP |

A segunda colocada foi a indiana Parvathay Omanakuttan, e a terceira, Gabriel Walcott, de Trinidad e Tobago. O concurso, criado em 1951, foi transmitido para pelo menos 180 países.

Ksenya Sukhinova, de 1,78m, sucedeu à chinesa Zhang Zi Lin, eleita no ano passado em Sanya, na China.

A jovem, que na noite da vitória desfilou um elegante vestido cor púrpura, explicou ao júri suas motivações: "Acredito que posso ajudar as pessoas e quero ajudar as pessoas. Se eu sair daqui, hoje, com esta coroa, é o que eu farei".

Admitindo que a tensão foi demais para ela e para suas concorrentes, ao longo de uma maratona de eventos de gala e ensaios de todo tipo, ela contou, pouco após sua consagração, que o nervosismo a tornou "mais forte".

Originária de Nizhnevartovsk, norte da Sibéria, Ksenya estuda Ciências, na Universidade do Gás e do Petróleo de Tyumen (Rússia), onde mora com os pais. Ela foi a segunda russa a vencer o concurso, depois de Julia Kurochkina, em 1992.

De 109 candidatas, foram escolhidas 15 semifinalistas, entre elas a representante do Brasil e a da Venezuela. Depois, ficaram as cinco finalistas - de Índia, Rússia, Trinidad e Tobago, Angola e África do Sul.

A sul-africana Tansey Coetzee contou, naturalmente, com forte apoio do público, mas não conseguiu convencer os jurados. A indiana Parvathay Omanakuttan tentou conquistar a multidão, saudando-a em africâner e evocando simbólicas personalidades do século XX, como Mahatma Gandhi e o primeiro presidente negro da África do Sul, Nelson Mandela, também citado pela trinitária Gabriel Walcott.

Antes do anúncio dos resultados, as candidatas, com idades entre 17 e 25 anos, desfilaram durante duas horas com vestidos desenhados por estilistas sul-africanos e jamaicanos. As jovens chegaram à África do Sul em meados de novembro e emendaram uma série de eventos, ensaios, encontros com a imprensa e safáris.

"Acho que soubemos mostrar o que a África do Sul pode oferecer", declarou o membro do júri Lindiwe Mahlangu, diretor do Instituto de Turismo de Johannesburgo.

Agora, durante um ano, a nova Miss Mundo terá de colocar sua beleza a serviço de causas humanitárias.

"Ao longo dos anos, a coroa se tornou um símbolo da arrecadação de fundos. A Miss Mundo 2008 arrecadou 30 milhões de dólares este ano", disse a chefe do Comitê organizador, Julia Morley, segundo a qual o concurso "traz muitas coisas boas para as crianças com necessidades e os idosos".

Inicialmente, a cerimônia seria realizada no dia 4 de outubro, em Kiev, mas foi adiada e transferida para a África do Sul, devido ao conflito, em agosto passado, entre Rússia e Geórgia.

fb/tt

    Leia tudo sobre: miss

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG