Operários da Arena do Grêmio decidem voltar ao trabalho

Obra permanece embargada pelo Ministério do Trabalho

Daniel Cassol, iG Rio Grande do Sul |

Daniel Cassol/iG
Alojamento dos operários da obra do estádio
Os operários que trabalham na construção da Arena do Grêmio, na zona norte de Porto Alegre, decidiram retomar as atividades nesta quarta-feira, após uma paralisação que iniciou no dia 24 de fevereiro. As obras só serão retomadas, no entanto, depois que o Ministério do Trabalho levantar o embargo decretado na semana passada. 

De acordo com Isabelino dos Santos, presidente do Sindicato dos Trabalhadores na Construção Pesada, os operários aceitaram a antecipação do dissídio da categoria, com um reajuste de 5% sobre os salários que variam entre R$ 626 e R$ 827. A maioria oriundos do Nordeste, os trabalhadores reivindicavam um intervalo de três meses para a folga de cinco dias úteis a que têm direito para visitar a família, mas a construtora OAS manteve os quatro meses atuais. 

A empresa também teria se comprometido a melhorar as condições do refeitório e dos alojamentos destinados aos trabalhadores. “Vamos seguir pedindo a melhoria nos alojamentos. A empresa também se prontificou a conversar com o fornecedor para melhorar a comida do refeitório”, explica Isabelino. 

No dia 24 de fevereiro, quando os operários iniciaram a paralisação, a reportagem do iG flagrou as condições de um dos alojamentos disponibilizados pela construtora . A situação precária dos alojamentos, bem como do refeitório e da área de vivência na obra, foram alguns dos motivos que levaram o Ministério do Trabalho a embargar a obra no dia 1º, após uma denúncia dos próprios trabalhadores. O alojamento já foi fechado e a empresa deslocou os trabalhadores para um hotel do centro de Porto Alegre. As obras só serão retomadas quando o embargo for levantado.

    Leia tudo sobre: construtoraoperáriosobrasgrêmio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG