Defesa de atropelador de ciclistas deve pedir habeas corpus

Ricardo José Neis permanece internado em hospital psquiátrico

Daniel Cassol, iG Rio Grande do Sul |

Os advogados de defesa de Ricardo José Neis, responsável pelo atropelamento de um grupo de ciclistas, no dia 25 de fevereiro, em Porto Alegre, devem protocolar o pedido de habeas corpus nesta quinta-feira. O acusado permanece internado em um hospital psiquiátrico da capital. 

Segundo o advogado Jair Antônio Jonco, a falta de alguns documentos pessoais do acusado fez com que o pedido não fosse impetrado nesta quarta-feira. Jonco justifica o pedido de habeas corpus afirmando que o acusado não pode mais prejudicar a coleta de provas e nem pretende fugir. 

“Ele tem residência fixa, emprego, é servidor público. Não vai se furtar a comparecer na Justiça ou na delegacia se for chamado. Além disso, as provas já estão constituídas”, disse Jonco. “A partir do momento em que se apresentou a polícia, assumiu o que fez, não tem porque fugir”, esclareceu. Na semana passada, um estudante de Direito havia feito o pedido por conta própria, mas a Justiça decidiu não analisar porque a defesa do acusado já havia divulgado que entraria com o habeas corpus.

Servidor do Banco Central, Ricardo Neis atropelou ciclistas que participavam de uma manifestação do grupo Massa Crítica, que defende o uso da bicicleta. O fato ocorreu no dia 25 de fevereiro, no bairro Cidade Baixa. Neis fugiu e somente se apresentou à polícia dois dias depois, alegando ter entrado em pânico e tentado proteger seu filho que estava no carro, durante uma discussão com os ciclistas. Depois de depor na polícia, ele buscou internação no Hospital Parque Belém, para atendimento psiquiátrico.

A Polícia Civil pediu a prisão preventiva de Neis por tentativa de homicídio duplamente qualificada – por motivo fútil e sem que as vítimas tivessem chance de defesa. Na última segunda-feira, Neis passou por uma avaliação médica no Instituto Psiquiátrico Forenste (IPF) e o resultado também deve ser divulgado nesta quinta-feira. A polícia quer a transferência do acusado para o IPF.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG