Crise mundial e conferência Rio+20 estarão no centro dos debates de evento que ocorre em Porto Alegre

Começa nesta terça-feira, em Porto Alegre, o Fórum Social Temático (FST). O evento é ligado ao Fórum Social Mundial, criado na capital gaúcha em 2001 em contraponto ao Fórum Econômico de Davos. A crise mundial  e as propostas para a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20 , que acontece em junho, no Rio de Janeiro, estarão no centro dos debates do FST, sob o tema Crise Capitalista, Justiça Social e Ambiental.

Vista do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, em Porto Alegre, onde estão instalados os primeiros participantes do acampamento da juventude do Fórum Social Temático
AE
Vista do Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, em Porto Alegre, onde estão instalados os primeiros participantes do acampamento da juventude do Fórum Social Temático
O evento, organizado por ativistas e organizações da sociedade civil pretende ser uma prévia da Cúpula dos Povos, encontro de movimentos sociais paralelo à Rio+20. Além do FST em Porto Alegre, mais 25 eventos devem compor a agenda do Fórum Social Mundial em 2012.

De acordo com a organização do FST, até domingo (29), cerca de 30 mil pessoas deverão passar pelas mais de mil atividades programadas para Porto Alegre e mais três cidades da região metropolitana da capital gaúcha.

Veja a cobertura completa sobre a
conferência Rio+20 , que acontece em junho

O início oficial do encontro está marcado para a tarde de hoje, com a tradicional marcha de abertura, que repetirá o trajeto feito pelas ruas de Porto Alegre em edições anteriores do fórum. A passeata sairá da Avenida Borges de Medeiros e seguirá, num trajeto de cerca de 5 quilômetros, até a Usina do Gasômetro, às margens do Rio Guaíba.

Ao longo da semana, a extensa programação do FST inclui debates, oficinas, exposições e apresentações culturais, na maioria atividades autogestionadas, organizadas por movimentos sociais, centrais sindicais e organizações não governamentais. Eclético, o menu inclui desde debates sobre a crise do capitalismo a oficinas de biodança e teatro de bonecos.

Apesar do caráter “não governamental e não partidário” dos eventos ligados ao FSM, definido em sua Carta de Princípios, o FST também deve atrair políticos. Além do governo estadual, comandado por Tarso Genro, velho conhecido do Fórum, o governo federal terá participação significativa. A presidenta Dilma Rousseff deve ir a Porto Alegre na quinta-feira (26) para um diálogo com a sociedade civil e pelo menos sete ministros do governo estarão em eventos do FST ao longo da semana.

Entre os nomes confirmados para o megaevento, estão figuras conhecidas do FSM, como o sociólogo português Boaventura de Sousa Santos e o jornalista e escritor espanhol Ignacio Ramonet. Também devem marcar presença ativistas que foram protagonistas de movimentos como a Primavera Árabe, as manifestações estudantis chilenas, o Occupy Wall Street e os Indignados da Espanha.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.