Assembleia gaúcha estuda abrir seus arquivos da ditadura

Em iniciativa pioneira, ministra e deputados querem abrir e organizar os documentos sobre o período militar no Estado

Daniel Cassol, iG Rio Grande do Sul |

Antes que o Congresso Nacional aprove a criação da Comissão Nacional da Verdade para investigar mortes e desaparecimentos ocorridos durante a ditadura militar, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul pode disponibilizar seus arquivos sobre o período e criar um “museu da memória”. A sugestão foi feita pela ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, e tem o apoio do presidente da casa, o deputado Adão Villaverde (PT).

AE
A ministra afirmou que o foco principal é a recuperação desse período histórico
Maria do Rosário participou de uma audiência na Comissão de Direitos Humanos do parlamento gaúcho nesta sexta. A ministra disse que os documentos contribuiriam para os trabalhos da Comissão da Verdade, caso ela seja aprovada no Congresso.

“Estou desenvolvendo um trabalho junto à Assembleia Legislativa para que aquelas pessoas que tenham informações já venham organizando para contribuir”, explicou a ministra.

A Assembleia gaúcha foi a primeira a criar uma comissão de direitos humanos, em junho de 1980, depois do seqüestro, no ano anterior, dos uruguaios Lilian Celiberti e Universindo Dias em Porto Alegre, numa ação conjunta entre as então ditaduras do Brasil e do Uruguai. Agora, poderia ser a primeira casa legislativa a tomar a iniciativa de abrir um acervo sobre a ditadura.

O deputado estadual Miki Breier (PSB), presidente da comissão, revelou que pretende incentivar a criação de um “museu da memória” na Assembleia. “Queremos reunir este material para que o Rio Grande do Sul possa contribuir com a comissão, que esperamos que seja instalada”, destacou o deputado.

Segundo Breier, documentos da época podem ajudar nos trabalhos da Comissão da Verdade, além de materiais que militantes de direitos humanos possam levar à Assembleia. O deputado acredita que até o final do ano o acervo possa ser disponibilizado.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG